Domingo, 12 de Março de 2017, 08h:15

Tamanho do texto A - A+

Chacina do São Mateus e assassinato de major completam três anos sem culpados presos

Por: JESSICA BACHEGA

O Ministério Público estadual (MPE) concedeu mais 90 dias para que a Polícia Civil conclua o inquérito que investiga o assassinato no major da Polícia Militar Claudemir Gasparetto, morto a tiros, em 18 de fevereiro de 2014, quando chegava a sua residência no bairro Planalto Ipiranga, em Várzea Grande.

 

 

PMMT

MAJOR GASPARETO

Major Claudemir 

As investigações desse crime completou três anos no mês passado e pode ter ligação direta com outro assassinato que ocorreu em um bar, conhecido como "chacina do São Mateus". Naquela oportunidade, testemunhas disseram que homens mascarados, mas com calças idênticas a fardas da polícia e armas de grosso calibre adentraram ao local e mataram cinco homens e deixaram mais três feridos. Entre os baleados, possivelmente estavam criminosos envolvidos na morte do major.

 

Conforme a assessoria do Ministério Público Estadual (MPE) a polícia já solicitou prorrogação de prazo algumas vezes. O último andamento processual no site do Tribunal de Justiça quanto as investigações da morte do major datam de fevereiro de 2014.

 

Execução do policial

De acordo com as informações, o major aposentado chegava a sua residência, em um veículo Voyage, quando foi surpreendido pelos suspeitos que estavam em um carro modelo Ecosport. Os criminosos efetuaram vários disparos e cinco deles acertaram o policial nas costas, na cabeça e no tórax.

 

O major chegou a ser socorrido por uma ambulância do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e encaminhado ao Pronto Socorro de Várzea Grande, mas morreu durante o atendimento médico. 

 

De acordo com a delegada Silva Palluzzi, que estava à frente do caso, há suspeita de que os criminosos tenham feito uma emboscada para matar o major, uma vez que eles sabiam a hora da chegada da vítima a sua residência.

 

Passados tantos anos após o crime a hipótese de latrocínio (roubo seguido de morte) ainda não foi descartada pela polícia.

 

A delegada informou que alguns suspeitos já foram identificados, no entanto a situação é delicada, pois alguns estão foragidos e há a possibilidade de que outro suspeito tenha morrido na Chacina do São Mateus, ocorrida poucos dias após a morte do policial.

 

 

Chacina do São Mateus

Um dos crimes mais chocantes registrados em Várzea Grande completa três anos sem solução. Oito vítimas foram baleadas em frente a um bar, próximo a rodovia dos Imigrantes, por volta das 23h do dia 23 de fevereiro de 2014. 

 

Alan Cosme/HiperNoticias

delegada anaide barros

 Delegada Anaíde

Dos oitos baleados, cinco morreram e três foram atendidos no Pronto Socorro. Um dos sobreviventes ficou tetraplégico.

 

“Alguns conseguiram sobreviver porque correram e estão foragidos”, lembra a delegada Anaide Barros de Souza, que comandava as investigações e foi até a cena do crime no dia das mortes.

 

A delegada conta que os moradores da região ficaram muito assutados com tamanha brutalidade com que houve as mortes.

 

A polícia trabalha com uma possível, ligação entre os crimes. Considera-se que tenha sido um tipo de vingança pela morte do Major Claudemir, registrada poucos dias antes.

 

Conforme relataram testemunhas à polícia, na época, os suspeitos do crime estavam encapuzados e chegaram ao local usando coturnos e coletes à prova de balas.

 

Os assassinos mandaram que as pessoas que estivessem no bar e tivessem passagem pela policia fossem para a parede e os que apresentassem a ficha limpa fossem embora.

 

De costas, aqueles que estavam na parede não tiveram chance de defesa e foram baleadas a queima rouba com disparos de pistolas e espingardas.

 

Sebastião José Pinho, 23 anos, Douglas Campos Fernandes, 18, e Anderson José Leite da Silva, 19. Já Gean de Assunção Pedroso e Gonçalo Vaz de Campos, 60, morreram logo após dar entrada no Pronto-Socorro de Várzea Grande.

 

Os menores S.L.J., G.M.A.P. e M.S.P ficaram internados no Pronto-Socorro e conseguiram sobreviver.  

 

Leia também:

Força-tarefa busca elucidar crimes e identificar suspeitos que continuam livres

Delegada confirma que morte de policial pode ter ligação com chacina do São Matheus

Lei do silêncio dificulta investigação de chacina e assassinato de major

Chacina do São Matheus completa um ano; ninguém foi preso

Membro do grupo de extermínio participou de 60 homicídios na região metropolitana de Cuiabá

Grupo de extermínio cometeu ao menos 230 homicídios em três anos em Várzea Grande

Avalie esta matéria: Gostei +1 | Não gostei

Leia mais sobre este assunto