Quarta-Feira, 12 de Setembro de 2018, 09h:26

Tamanho do texto A - A+

Assassino confesso é condenado a 19 anos por matar jovem com golpes de enxada

Por: WILLIAN BELTER

A juíza Mônica Perri, da Primeira Vara Criminal de Cuiabá, condenou o réu Marcos Paulo Liberato da Silva à pena de 19 anos e 06 meses de reclusão, no regime inicialmente fechado. O homem, acusado de matar de forma brutal a jovem Lucinete Maria da Silva no ano de 2017, foi submetido a júri popular na tarde desta terça-feira (11).

 

Alan Cosme/HiperNoticias

forum cuiaba

 

O Ministério Público Estadual (MPE) requereu a condenação do réu pelos crimes de feminicídio e estupro . Em seguida a defesa tentou impugnar o quesito crime de estupro.

 

De acordo com o documento a defesa manifestou no seguinte sentido: “Foi inserido pela juíza presidente do Tribunal do Júri o quesito sobre o crime de estupro para os jurados votarem. Acontece que a questão tem que seguir nos mesmos termos o que está que está previsto na sentença prolatada pelo juízo na fase do sumário de culpa, e salvo melhor juízo essa tipificação penal, o que não consta descrita na sentença de pronúncia prolatada pelo Magistrado da 12ª Vara Criminal da Comarca de Cuiabá/MT.”

 

A juíza rejeitou o pedido de impugnação. “O réu, uma vez pronunciado pelo crime doloso contra a vida também estará automaticamente pronunciado pelo crime conexo”. 

 

Após a apresentação das teses de acusação e defesa, os membros do Conselho de Sentença votaram pela condenação do acusado. Ele deve cumprir a pena em regime fechado.

 

O réu está preso há um ano e dois meses e a sentença ainda cabe recurso.

 

O caso

 

O crime chocou a população cuiabana e, até hoje, é considerado um dos casos de feminicídio mais brutais registrados em Mato Grosso.

 

O réu e a vítima ingeriam bebidas alcoólica e faziam uso de entorpecentes na casa de amigos;. Aproveitando a oportunidade ele a convidou para ir até à sua residência.

 

 

Lá chegando, o acusado desferiu golpe de enxada na cabeça de Lucinete, utilizando um fio elétrico amarrou seus braços e suas pernas com um cabo de ferro elétrico. Ele ainda manteve relações sexuais com a vítima. O acusado  tapou a boca da vítima com uma fronha ao ponto de causar a morte por asfixia. 

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei