Sexta-Feira, 12 de Janeiro de 2018, 11h10
MAIS DE UM MÊS NO PRONTO SOCORRO
Secretaria lamenta morte de adolescente e nega descaso ou negligência

JESSICA BACHEGA

A secretaria Municipal de Saúde (SMS) nega que houve descaso ou negligência no atendimento oferecido ao adolescente Vitor Hugo da Silva Costa, que morreu na noite de quarta-feira (10), no Pronto Socorro Muncipal de Cuiabá (PSMC), onde estava internado desde o dia 29 de novembro.

 

Reprodução facebook

vitor hugo da silva castro pronto socorro

 Vitor passou por várias operações sem sucesso

O menor veio transferido de Sinop para Cuiabá, já com quadro clínico delicado e a família denuncia que não houve médicos especialistas disponíveis no Pronto-Socorro para diagnosticar corretamente qual era a doença do garoto.

 

“É importante ressaltar que, apesar da estrutura física e deficitária, o Pronto Socorro Municipal de Cuiabá possui um corpo clínico experiente e altamente qualificado, além de dispor de diversas especialidades médicas”, diz trecho da nota encaminhada á imprensa.

 

Ele passou por cirurgias e transfusões de sangue, mas não  houve melhora significativa em sua saúde. Vitor Hugo chegou a ficar em coma por dois dias antes de seu falecimento.

 

A Secretaria manifesta, por meio de nota, o pesar pela morte do garoto e relata os procedimentos realizados ao paciente e o tratamento ao qual foi submetido. Frisa, ainda, que o prontuário do paciente está á disposição da Justiça.

 

Confira nota na íntegra

A Secretaria Municipal de Saúde e o Pronto Socorro Municipal de Cuiabá receberam com profundo pesar a notícia do falecimento prematuro do adolescente Vitor Hugo da Silva Castro, em 10/01/2018.

 

Diante dos fatos apresentados em revisão sistemática do prontuário, é necessário esclarecer que o paciente apresentava diagnóstico definido de entrada, já em tratamento com corticoterapia (mantida durante internação no HPSMC), porém com quadro inicial gravíssimo, transferido para Cuiabá já com infecção sistêmica e má evolução clínica. Em nenhum momento houve descaso ou negligência médica por parte da equipe do Pronto Socorro.

 

Consta no relatório médico de transferência inter hospitalar de Sinop para Cuiabá do paciente Vitor Hugo da Silva Castro que o mesmo deu entrada no hospital de Sinop em 17/09/17, já proveniente de outra instituição com quadro clínico de diarreia e desidratação, choque hipovolêmico, crise convulsiva e parada cardiorrespiratória. Segundo relatório, paciente apresentava exame de retossigmoidoscopia flexível com biópsia de áreas suspeitas conclusiva para retocolite ulcerativa. Na entrada apresentava-se instável, com dose alta de noradrenalina, entubado e sob ventilação mecânica com insuficiência renal e indicação de hemodiálise. Evoluiu por longo período de resposta clínica parcial, oscilação de hemoglobina a despeito de múltiplas transfusões. 

 

Veio transferido de SINOP em mau estado geral, grave, mantendo déficit neurológico (secundário a volumosa hemorragia cerebral aguda acometendo os lobos cerebrais a direita com hematoma de cerca de 11 cm com efeito de massa e desvio de estruturas cerebrais segundo TC crânio de 24/11/2017 de SINOP), traqueostomizado, em ventilação mecânica, febril, em uso de droga vaso ativa, dieta por gastrostomia, abdome com ferida operatória aberta por deiscência de sutura e  craniotomia.

 

Deu entrada na UTI do HPSMC com quadro de choque séptico de foco abdominal por fungos, com mortalidade estimada pela literatura entre 40 e 60% (fonte: Scielo, Viudes et al), recebeu todo suporte de terapia intensiva, antibioticoterapia potente (guiada por culturas), foi acompanhado pelo intensivista, cirurgiões gerais (que iniciaram o tratamento para doença inflamatória intestinal, diagnóstico que constava no relatório de transferência), neurocirurgião, nefrologista, infectologista, cirurgião vascular, oftalmologista, nutrólogo e psicóloga. Em 11 de dezembro, em melhores condições clínicas para poder passar por cirurgia extensa, os cirurgiões abordaram a cavidade abdominal, viram alças intestinais aderidas entre si e a parede, coágulos e dois coleções de pus. Em 26/12/17 o médico assistente da UTI, vendo que por conta do quadro abdominal arrastado o paciente evoluiu progressivamente com quadro de desnutrição protéico calórica, regulou o paciente para transferência para o HUJM para acompanhamento do gastroenterologista e nutrólogo. Em 29/12/17 o médico assistente complementou que seria prudente o paciente ir para o HUJM para ser avaliado também pelo reumatologista, para reavaliação do diagnóstico inicial, preocupado com a má resposta clínica a tão ampla terapêutica. É importante ressaltar que quando é solicitada transferência para um paciente de uma UTI para outra, existe toda uma equipe médica da central de regulação de urgência e emergência que analisa individualmente cada solicitação, autorizando ou não. Em 03/01/2018 a mãe, Sra Daniela, trouxe a essa diretoria a problemática da transferência de seu filho para o Hospital Julio Muller. Os fatos foram averiguados, foi realizada em 04/01/2018 uma reunião na diretoria do HPSMC com a presença da mãe, tia, diretoras técnicas, intensivista, assessoria jurídica e RT do núcleo interno de regulação. Após analisar o quadro clínico do paciente no dia da reunião, em comum acordo entre todos os presentes, todos acharam prudente não transferi-lo neste momento, tendo em vista que o mesmo seguia grave, em choque séptico foco abdominal, o que possivelmente levou a queda das plaquetas (responsáveis pela coagulação do sangue) e como o paciente veio de SINOP com AVC hemorrágico, existia o risco de ressangramento e no HUJM não há neurocirurgia. No mesmo dia foram solicitadas provas reumatológicas que vieram negativas e o exame de imunohistoquímica para confirmação diagnóstica, mas que ainda não saiu o resultado. Nesse mesmo dia, a Diretora do Pronto Socorro Municipal de Cuiabá, Zamara Brandão, deu seu telefone pessoal para a mãe colocando-se à disposição a qualquer momento.

 

A Secretaria Municipal de Saúde e o Pronto Socorro Municipal de Cuiabá preocupam-se em dar uma resposta para a sociedade com o objetivo de evitar o pensamento de que a criança foi negligenciada pela equipe do PS, criando uma situação de insegurança para familiares que tenham filhos ou parentes em tratamento. É importante ressaltar que, apesar da estrutura física e deficitária, o Pronto Socorro Municipal de Cuiabá possui um corpo clínico experiente e altamente qualificado, além de dispor de diversas especialidades médicas. 

 

Toda a equipe da Secretaria de Saúde e do Pronto Socorro se compadece pela perda irreparável desta família. No entanto tal perda é decorrente infelizmente de um grave quadro clínico do paciente com má evolução desde o princípio do atendimento. A diretora do PS, Dra. Zamara, encontra-se à disposição para esclarecimento de qualquer dúvida restante, como já se dispôs pessoalmente à mãe, passando seu contato pessoal para que todo possível contratempo fosse resolvido imediatamente. O prontuário encontra-se disponível à justiça.  

 

Em nome da equipe multidisciplinar do Hospital e Pronto Socorro Municipal de Cuiabá, Dra. Zamara Brandão e a secretária de saúde, Elizeth Araújo repassam o desejo de que Deus conforte à família enlutada e leve o Vitor para junto dos anjos do senhor.

 

Leia também

Adolescente morre no Pronto Socorro de Cuiabá um mês após ser transferido de Sinop com a barriga aberta


Fonte: HiperNotícias
Visite o website: http://hipernoticias.com.br