Sábado, 12 de Agosto de 2017, 08h15
"PRECISO DE DESAFIOS"
Antonio Joaquim é candidato ao Governo do Estado pelo PTB

FELIPE LEONEL

O presidente do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Antonio Joaquim, confirmou que deve sair de férias no final deste mês, e que, possivelmente, vai se desligar da Corte de Contas. O plano de Joaquim é viabilizar seu projeto político, que seria de disputar o Governo do Estado, pelo PTB, em 2018. 

 

Alan Cosme/HiperNoticias

antonio joaquim

Antônio Joaquim serve o Tribunal de Contas de MT há 14 anos

"Eu realmente saio de férias agora final do mês, vou ficar um mês de férias, vou refletir e ver como que eu vou encaminhar as coisas. Vou viajar com minha esposa por uns 10 dias e no retorno, a minha ideia é chegar e aposentar", declarou Joaquim, durante entrevista à Radio Capital FM, na manhã de sexta-feira (11). 
 
"A minha ideia é assim: de outubro até maio, eu teria tempo de tentar construir alguma coisa. E aí, se não der, não deu", completou. 
 
Antonio Joaquim esteve no Tribunal por 14 anos, mas antes disso ele foi deputado estadual por dois mandatos e deputado federal, além de ser secretário de Educação e Cultura, durante o governo Dante de Oliveira. "Eu vou sair exatamente para retomar,  não vou ser hipócrita, eu vou sair é para retomar a vida política eleitoral", cravou o presidente. 
 
Ele ainda disse que não se sente estimulado como membro do Tribunal de Contas do Estado e que já deu a sua parcela de contribuição. Neste período, ele  também foi presidente da Associação dos Membros dos Tribunais de Contas do Brasil (Atricon). Joaquim ainda disse que não tem medo de se reinventar e que não teme os desafios. 
 
 
"É um risco? É. Não é uma aventura, mas é um risco. Eu não vou, nunca cobrar, amanhã, se eu não viabilizar um projeto político eleitoral. Conversar "ah, mas eu saí e deixei 14 anos, vocês têm que me dar uma vaga", não é isso. Eu estou assumindo na inteireza dessa responsabilidade", esclareceu.
  
 
"Eu estou saindo por isso, eu quero alimentar minha alma, eu preciso desafios, de correr riscos. Eu não posso ficar na zona de conforto, de segurança pessoal, eu quero ajudar o meu Estado. Dezessete anos depois de estar no Tribunal eu sou absolutamente outra pessoa. Eu estudei, evolui, dezessete anos de Tribunal me deu o melhor pós-doutorado que eu poderia ter em gestão pública do Brasil", complementou ele. 
 

Fonte: HiperNotícias
Visite o website: http://hipernoticias.com.br