Domingo 19 de Fevereiro de 2017
pesquisas

Terça-Feira, 27 de Setembro de 2016, 14h:54

Tamanho do texto A - A+

Reutilização é tendência forte na Casa Cor Mato Grosso

Por: REDAÇÃO

Tendências surgidas há alguns anos e que vêm se intensificando, a mistura do novo e do antigo e o reaproveitamento de móveis e materiais estão presentes na CASA COR Mato Grosso 2016. Os visitantes, neste sábado (24), puderam conferir como itens de família - fotos antigas, máquina de escrever, piano e bicicleta – podem integrar ambientes modernos e repletos de tecnologia, enquanto obras de arte feitas com rejeitos e material reciclável dão um toque especial nas decorações.

 

Lourrany Matos

Casa Cor

 

As informações são da asessoria de imprensa.

 

O ambiente “Family Room”, de Jomara Nicaretta e Renata Fernandes, é um bom exemplo. Vários retratos antigos estão espalhados pelo ambiente, alguns ainda da época em que se pintavam fotos. “A família é nosso maior tesouro, às vezes vale muito mais que uma obra de arte caríssima. Então é isso que temos que resgatar, a família, o amor. Não podemos deixar isso morrer, podemos usar o antigo com o novo. É encantador”, diz.

 

O conceito de família, de união e intimidade também está representado por itens como uma rede de balanço. “Criamos um cantinho, trouxemos a rede para dentro, que é um símbolo de historicidade de Várzea Grande. Quem não gosta de uma rede, né?” E uma máquina de escrever Remington antiga: “no cantinho do estudo colocamos a máquina que contrasta com toda a tecnologia de automação que temos no ambiente. É uma máquina de escrever de família, uma herança. Temos que resgatar”, reitera Jomara.

 

Pedaços de madeira que antes eram deixados de lado agora emprestam charme a ambientes como o “Varanda e Grill”, da arquiteta Carla Almeida. Ela criou uma bancada com uma peça que encontrou jogada em meio a restos de madeira de construção. Pediu apenas que fosse limpa e envernizada, conservando seu desenho original e as imperfeições. “Está toda rústica, mas a poltrona que está com ela é de seda. Fica o rústico com o moderno, o clássico com algo mais bruto. Já é tendência há alguns anos essa mistura”, frisa.

 

A visão, neste caso, é aliada à criatividade para dar funcionalidade ao material. Carla então encomendou sousplats de vidro especialmente para a bancada. “A priori eu precisava deixá-la útil e com os veios iria cair alguma coisa no meio. Pensei em colocar uma lâmina de vidro inteira, mas como a madeira é toda irregular não ficaria bom. Ele [o soulsplat] vai conseguir segurar pratos e talheres e vou continuar vendo os veios da madeira. Tem jeito para tudo”, brinca Carla.

 

Arte de reaproveitar

Em vários outros ambientes o conceito de reaproveitamento é reforçado por meio de obras de arte e de decoração. Várias peças foram criadas pela artista plástica Rita Duarte. No mesmo “Varanda e Grill” há uma peça dela feita com restos de chapas de metal unidas por cabos de aço. No “Espaço Fitness” , de Gisele Maia, outra obra de Rita feita com molas e pés de colchão salta aos olhos, enquanto bem próximo uma bicicleta herdada do pai da arquiteta serve para decorar uma parede.

 

Descrição: http://www.emarketingmt.com.br/CasaCor/espaco_convivencia.jpgNo “Lounge Primavera Rosa”, de Ana Paula Bastos, Edgard Ribeiro Filho, Juliana Vilela, Vanessa Koehler e Veruska Matos, uma arte feita com papel reciclado de Ruth Albernaz ajuda a criar o clima da estação com várias flores coloridas. Enquanto no “Espaço Convivência”, de Marcus Leão, um pedaço de casca de árvore serve como vaso de plantas de estilo rústico. Neste, por sinal, o mesmo conceito do novo e antigo juntos reaparece, onde um piano antigo reformado divide espaço com um desenho bem contemporâneo de caveira com fones de ouvido.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei








Leia mais sobre este assunto

Nó de Cachorro

Nó de Cachorro

Faiad recebe visita no CCC

Dois fuzís em dez dias

Batata quente

Explosão e apagão

Mais Notas

Últimas Notícias

Mais Lidas

Mais Comentadas