Quinta-Feira, 17 de Maio de 2018, 14h:56

Tamanho do texto A - A+

Promotores participam de mobilização contra o abuso sexual na Praça Alencastro

Por: REDAÇÃO

O Ministério Público do Estado de Mato Grosso, por meio da Procuradoria de Justiça Especializada na Defesa da Criança e do Adolescente, participa nesta sexta-feira (18), na Praça Alencastro, da mobilização relativa à campanha “Faça Bonito – Proteja nossas crianças e adolescentes”. O procurador de Justiça Paulo Roberto Jorge do Prado e a sua equipe vão repassar orientações à população sobre o combate ao abuso sexual. O atendimento será das 8h30 às 12h.



Alan Cosme/HiperNoticias

paulo prado

Procurador Paulo Prado será um dos palestrantes

Na terça-feira (15), Prado esteve em Mirassol D´Oeste falando sobre o  “Papel  das instituições e da sociedade civil organizada na defesa dos Direitos das Crianças e dos Adolescentes”.  Mais de 300 pessoas participaram da discussão, entre promotores de Justiça, juízes, advogados, defensores, delegados, professores, estudantes e gestores públicos.



“Durante os debates, propus aos conselhos e aos demais integrantes da rede que promovam a criação do Plano Municipal de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente. Ano que vem, voltarei a Mirassol D´Oeste para avaliarmos os resultados obtidos e iniciarmos as discussões sobre a elaboração de um plano municipal de enfrentamento ao abuso sexual”, ressaltou o procurador de Justiça.



O promotor de Justiça Saulo Pires de Andrade Martins, que atua na defesa da Infância e Juventude no município, também abordou o assunto. 



ENFRENTAMENTO

 

A sensibilização, alusiva ao dia 18 de Maio, foi escolhida porque nesse dia, no ano de 1973, na cidade de Vitória (ES), um crime bárbaro chocou todo o país e ficou conhecido como o "Caso Araceli". Esse era o nome de uma menina de apenas oito anos de idade, que teve todos os seus direitos humanos violados, foi raptada, estuprada e morta por jovens de classe média alta daquela cidade. O crime, apesar de sua natureza hedionda, até hoje está impune.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei