Quarta-Feira 22 de Fevereiro de 2017
pesquisas

Domingo, 08 de Janeiro de 2017, 11h:30

Tamanho do texto A - A+

"Vai melhorar", diz Taques sobre relacionamento com servidores públicos

Por: RENAN MARCEL

O secretário-chefe da Casa Civil, Paulo Taques, acredita que o relacionamento do governo do estado com os servidores públicos de Mato Grosso vai melhorar em 2017.

 

Alan Cosme/HiperNoticias

paulo taques

 

No ano passado, o Executivo enfrentou uma greve geral das categorias, por conta do impasse do pagamento da Revisão Geral Anual (RGA). Apesar disso, Paulo Taques vê os servidores mais compreensivos neste ano.

 

Ele lembra que as medidas adotadas pelo governo de Pedro Taques (PSDB) foram impostas pela crise financeira nacional.

 

“ O servidor público entende que o que nós estamos fazendo não é porque nós queremos, é porque nós precisamos. Eu acho que a nossa relação vai melhorar”, diz o secretário.

 

Paulo Taques ressalta que, mesmo com as dificuldades orçamentárias, o governo de Mato Grosso tem conseguido honrar o salário dos servidores públicos.

 

“ É importante dizer que nós fechamos as 13 folhas do ano de 2016. Vários estados pagaram apenas sete ou oito folhas. E muitos servidores de outros estados precisam enfrentar filas para receber doações. Em Mato Grosso ainda estamos firmes para honrar o salário dos servidores e é assim que vai continuar”, promete.

 

Segundo ele, o pagamento dos salários seguira o cronograma estabelecido pelo governo, sempre nos primeiros dias do mês subsequente, com prazo máximo legal até o dia 10.

 

 

No final do ano passado os servidores voltaram a se mobilizar diante da ausência da RGA na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). A movimentação, no entanto, esfriou após uma série de negociações com os deputados estaduais. Os servidores aguardam o resultado de uma Ação Direta de Inconstitucionalidades (Adin) sobre a revisão salarial. A possibilidade de uma nova greve não é descartada. 

Avalie esta matéria: Gostei +1 | Não gostei








5 Comentários

Junior - 09/01/2017

Ainda bem que estou de estômago vazio, não almocei, do contrário vomitaria !!!

Sandrinha - 08/01/2017

Não acredito nisto....A única esperança é um novo governo mais humano. De preferência natural de outro Estado do Brasil! Tipo Paranaense....Blairo foi um bom patrão, indiferente de outras coisas que estão ligadas a ele.

Mteus - 08/01/2017

O que nos queremos é nosso salário, ja trabalhado na conta. Voces do governo, tão carecas de saber que " dia 27 Dez entrou o FEX e no dia 31 Dez entrou a repatriação, e mais a arrecadação normal do mês de Dezembro, e vocês não falam nada. Governador prometeu varias vezes de que se estes dois recursos entrasse,ele não iam espera dia 10 pra liberar os salários já trabalhado de Dezembro do ano passado. Gente, estamos querendo receber salário do ano passado ainda.Em quanto na prefeitura Cuiabá o EP já pagou todos os salários do seu servidores, e na prefeitura de VG tambem já foi pago os salários do ano passado. Só o Estado que fica com este mi mi mi de crise. Até o banco do Brasil sabe que não recebemos salario mas, fica mandando no rodapé do extratos aviso de que tem débitos em aberto, imaginam os outro bancos que não tem nada haver com governo.

Aderson Padilha de Amorim - 08/01/2017

Sr Secretário pagar os subsídios dos servidores não é favor é uma obrigação bem como os RGA, outrossim reter os descontos em folha dos servidores e não repassar aos consignatários é apropriação indevida e passível de sanções. O modelo de consignação implantado segundo visão do Governo é para evitar o endividamento dos servidores, e quem ficará com os juros cobrados pelo atraso!

Teka Almeida - 08/01/2017

Primeiro, não moro em outro estado, moro em Mato Grosso. Segundo, para melhorar o relacionamento com os servidores públicos vai fazer por decreto???? Palhaçada.

INíCIO
ANTERIOR
PRÓXIMA
ÚLTIMA

Leia mais sobre este assunto

Nó de Cachorro

Nó de Cachorro

CBF veta tricolor

Ministro da Sodoma sob suspeita

Partido Novo

Tranco no Samu

Mais Notas

Últimas Notícias

Mais Lidas

Mais Comentadas