Terça-Feira, 18 de Setembro de 2018, 11h:14

Tamanho do texto A - A+

Instituto Flauta Mágica completa 20 anos transformando a vida de crianças e adolescentes

Por: REDAÇÃO

Em duas décadas de história, o Instituto Cultural Flauta Mágica acumula centenas de momentos que marcaram esses anos de trabalho ininterruptos, quando mais de cinco mil crianças e jovens, em situação de vulnerabilidade social, foram acolhidas e tiveram suas histórias de vidas transformadas pelo projeto.

 

Divulgação

flauta magica

 

A iniciativa veio de um convite da Secretaria Municipal de Cuiabá e a escolha pelo bairro Jardim Vitória se deu em razão de ser uma comunidade com grande população vivendo num local sem infraestrutura e com altos índices de tráfico de drogas e assassinatos de Mato Grosso. Os mais de 4 mil alunos da escola municipal do bairro não tinham atividades de lazer e cultura, passando o contraturno escolar expostos aos mais diversos perigos que os espreitavam nas esquinas e nos inúmeros bares instalados na região.

 

As atividades começaram em 1998, quando a Secretaria Municipal de Educação adquiriu 40 flautas doces estudantis e estantes para partituras. Durante esses 20 anos, o Instituto vem realizando um trabalho de educação musical e cidadania, por meio de aulas de flauta doce, canto coral e balé.

 

O idealizador do projeto, maestro Gilberto Mendes, explica que o Instituto funciona já há algum tempo com um quadro de professores totalmente formados dentro da própria instituição. "Alunos das gerações mais novas já estão sendo preparados para ampliar e renovar esse quadro. No momento, atuo como maestro arranjador e responsável pelos ensaios de finalização e lapidação das interpretações da Orquestra e Coral que são ensaiadas pelos professores, com muita competência e zelo. Somos um time de excelência e as perspectivas são ótimas", enfatiza o maestro.

 

O propósito diferenciado do instituto é o que torna possível o respeito mútuo entre as pessoas, preparando os adolescentes para entrar no mercado de trabalho, seja no meio artístico ou em outra área. Ao longo de sua existência, o projeto vem desenvolvendo de forma responsável o lado educacional e profissional de seus alunos.

 

Hoje, aproximadamente 350 alunos estão matriculados gratuitamente e frequentam regularmente as aulas. Considerando esse número e o valor total para o funcionamento da instituição, cada aluno custa aproximadamente R$50,00 por mês.

 

Por isso, o Instituto lançou a campanha de apadrinhamento Sol-Lá-Si-Doe, voltada às pessoas que se interessarem em contribuir com o projeto, adotando um aluno por 12 meses. O programa visa arrecadar recursos para garantir que as crianças e jovens que participam do projeto continuem frequentando as aulas.

 

Para a funcionária pública, Rosana Viegas, mãe do aluno Daniel Viegas, o Flauta Mágica acolheu a família toda e transformou suas vidas. "O Daniel, que é autista, venceu a timidez, ampliou seu vocabulário e a sua interação social por meio da música. Hoje, ele se sente feliz em ser do coral do Flauta Mágica e ter conhecido lugares que jamais poderia ter tido acesso, como Alemanha, Áustria, Suíça e Rio de Janeiro. Agora até já se matriculou numa escola de artes dramáticas", revela a mãe.

 

E para marcar esses 20 anos, no dia 12 de outubro, o Flauta Mágica, representado por um grupo de 30 jovens do balé, flauta e coral, se apresentará em um dos parques da Disney, em Orlando  (EUA), nas festividades dos 50 anos da Disney - a convite da Disney Performing Arts. Essa será a terceira turnê internacional do grupo, que já realizou várias apresentações pelo continente Europeu, passando pela França, Alemanha, Áustria e Suíça.

 

"Sabemos que o sonho de qualquer criança de qualquer lugar do mundo é conhecer a Disney e nossas crianças e jovens, saindo de um bairro da periferia de Cuiabá, realizarão esse sonho e ainda serão uma atração artística lá", finaliza o maestro.

 

Sobre o Flauta Mágica

O Instituto Flauta Mágica desenvolve um trabalho de Educação Musical e cidadania em que milhares de crianças e jovens se beneficiaram desse modelo de educação, que parte do princípio da inexistência do talento inato. Não sendo necessário passar por teste de seleção para se matricular nas oficinas de flauta doce, canto coral e balé. No entanto, para fazer parte da Orquestra de Flautas, do Coral Juvenil ou do Corpo de Baile da instituição, é preciso esforço, dedicação desempenho técnico, disciplina e desenvolvimento de um bom relacionamento com os demais colegas.

 

Saiba como apadrinhar uma criança do projeto em: http://www.flautamagica.org.br

 

Mais informações: (65) 3641-6038 ou contato@flautamagica.org.br 

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei