Terça-Feira, 23 de Janeiro de 2018, 14h:24

Tamanho do texto A - A+

O ano da força

Por: MICHELY FIGUEIREDO

Mauro Camargo

Michely

 

 

Se 2017 deixou uma lição, sem dúvida, foi a de que sou forte e suporto qualquer parada! E essa força, acredito, se revelou principalmente depois que passei pela experiência de parir. É preciso coragem e persistência para não desistir no meio do caminho. Além disso, percebi que sou forte também quando, como rio, desviei de obstáculos que se apresentaram nesta rota de passagem que é a vida.

 

A força também se mostrou quando aceitei sair da minha zona de conforto para enfrentar novos desafios. Conciliar a vida de mãe com a carreira profissional é um baita desafio. Aos pouquinhos vou me adequando, sentindo menos peso por delegar os cuidados com o pequeno a outra pessoa.

 

Nesse espiral de mudanças, tive que aprender a aceitar essa nova pessoa. Aceitar a nova forma de se relacionar, o tempo minguado para fazer coisas hoje consideradas preciosas, que antes não tinham sequer valor.

 

A força é percebida ainda quando você não se deixa levar por aquele sentimento de tristeza que insiste em se fazer presente. E as formas de driblá-lo são inúmeras. Coloque uma música, dance na frente do espelho, faça caretas, ligue para uma amiga e fale abobrinhas, olhe para o céu e aprecie o brilho do sol, sinta o vento que bate no rosto e agradeça pelas coisas boas que lhe rodeiam.

 

2017 foi de aprendizado também. Aprendizado sobre mim, sobre o outro, sobre a vida e as relações que a permeiam. Foi ano de sair do piloto automático, de sacudir a poeira e começar tudo de outra maneira. Foi tempo de somar e encontrar um amor nunca antes experimentado. E quer saber? A sensação de ter passado por todas essas questões é indescritível. Só posso agradecer ao alto e aos que comigo caminharam.

 

Bem-vindo 2018. Que esses 365 dias reservem experiências enriquecedoras, assim como as vividas em 2017!

 

*Michely Figueiredo é jornalista, psicoterapeuta reencarnacionista, estudante de Acupuntura, mãe do Inã, filha do vento, feita de fibra

Avalie esta matéria: Gostei +6 | Não gostei