Segunda-Feira, 07 de Maio de 2018, 08h:20

Tamanho do texto A - A+

Único hospital de Rosário Oeste está prestes a fechar as portas por falta de dinheiro

Por: JESSICA BACHEGA

Há décadas atendendo a comunidade de Rosário Oeste e região, Hospital Amparo corre grandes riscos de fechar as portar por falta de dinheiro. A única unidade de saúde da cidade se mantinha por meio de convênio com a Prefeitura. Porém, atualmente não consegue renovação do contrato por conta de inadimplência.

 

Reprodução

hospital amparo rosario oeste

 

Amparo é um hospital filantrópico fundado pela igreja católica da cidade e há 20 anos vem acumulando dívidas, principalmente encargos trabalhistas, porque o gasto para atendimento aos pacientes é muito maior do que o repassado pelo Ministério da Saúde, que segue a tabele do Sistema Único de Saúde (SUS) que não é ajustado há anos.

 

“Para se ter uma noção, para cada paciente atendido temos um gasto de cerca de R$ 280. O SUS nos repassa somente R$ 80. Isso se arrasta há anos e chegou a um ponto que se tornou insustentável”, conta o diretor do Hospital, Assunção Igino.

 

De acordo com o diretor, hoje a unidade tem uma dívida de R$ 515 mil, entre despesas com fornecedores e encargos trabalhistas, que correspondem a cerca de R$ 400 mil da pendência.

 

“Antes era feito vista grossa quanto a dívida, mas com a crise a os inúmeros escândalos políticos esse não será mais feito e a Prefeitura não irá renovar convênio conosco enquanto não sairmos da inadimplência”, explica.

 

O diretor conta que diante da volumosa dívida e recursos restritos, as gestões anteriores optavam por pagar os salários dos servidores em detrimento das contribuições como o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) e o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

 

Com apoio da comunidade local e de comissão montada na igreja, tem sido realizadas campanhas mensais a fim de angariar fundos para quitar a dívida, deixar a inadimplência e poder restabelecer os convênios.

 

“A igreja montou a comissão SOS Amparo e tem pedido doações no comércio local, realizando campanha de show de prêmios e entre outras atividades com objetivo de conseguir dinheiro para quitar a dívida”, afirma.

 

A inadimplência tem afastado possíveis convênios, como o Estado que não realiza convênio por causa da pendência. “O governo do Estado não nos ajuda em nada”, explica.

 

O diretor informa que a dívida milionária foi parcelada em 60 vezes e as ações da comunidade ajudou a pagar a primeira parcela. "Agora temos que batalhar para honrar essa despesa e também a manutenção da unidade", afirma Assunção

 

Para ajudar ao hospital, também foi criada uma Vakinha on line,  na qual a pessoa pode realizar doações de qualquer quantia.

Avalie esta matéria: Gostei +1 | Não gostei

Leia mais sobre este assunto




1 Comentários

joaoderondonopolis - 07/05/2018

Que vergonha ter um governador deste tipo. O estado de MT é campeão em carne, campeão em soja, campeão em algodão e campeão também em impostos mais alto do mundo. Ano de 2017 previa uma receita de R$ 17 bilhões de reais e finalizou o ano com uma receita de 25 bilhões de reais. Mesmo assim o estado está quebrado por falta de gestão, diversos hospitais parando por falta de pagamento. O governador investindo no hospital de Rosário evita que os pacientes vão para Cuiabá. Mas isto não faz, largou o estado e só está fazendo política extemporânea.

INíCIO
ANTERIOR
PRÓXIMA
ÚLTIMA