pesquisas

Segunda-Feira, 26 de Dezembro de 2016, 17h:46

Tamanho do texto A - A+

Um ano marcado por greve geral e enfrentamento entre Fórum Sindical e governo

Por: JESSICA BACHEGA

O ano de 2016 foi marcado pela primeira greve geral do Estado e uma das paralisações mais longas já realizadas pelos servidores públicos. Foram 32 categorias envolvidas no movimento paredista que durou cerca de 30 dias e 67 dias sem aulas.

 

Max Aguiar / HiperNotícias

Tocha RGA

 Manifestação durante a passagem da tocha olímpica por Cuiabá

Motivada pelo não pagamento da Revisão Geral Anual (RGA) de 11,28% aos funcionários do Poder Executivo, representados pelo Fórum Sindical, o movimento iniciou a paralisação no dia 31 de maio.  

 

O valor ada RGA é calculado de acordo com a perda do poder de compra devido a inflação do ano anterior e vigora no Estado deste o ano de 2004, quando foi sancionada pelo então governador Blairo Maggi.

 

O governo ponderava que o pagamento da revisão impactaria no atraso dos pagamentos dos servidores sob o argumento da crise financeira que se arrasta há mais um ano país.

 

Porém, já no mês de setembro os funcionários passaram a receber salários escalonados, quem tinha vencimentos até R$ 3 mil recebeream no dia 30 e os demais até o 10. Já em novembro todos passaram a receber no dia 10.

  

Oficialmente, o Fórum declarou suspensa a greve no início do mês de julho quando a proposta encaminhada pelo Executivo Estadual foi aprovada na Assembleia Legislativa (ALMT) no dia 29 de junho.

 

O  texto determinou o pagamento da RGA de 7,54% em três parcelas: uma em setembro de 2016 e as duas últimas nos meses de janeiro e abril de 2017. O projeto condicionou o pagamento retroativo às condições financeiras do Estado e à Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), que limita o teto de gastos com folha de pagamento até 49% da arrecadação do Estado.

 

Os servidores da Educação, por sua vez, além da RGA,queriam também o atendimento de outras demandas, como concursos e reajustes. A greve da classe durou 67 dias e empatou com a paralisação considerada a mais longa do Estado, ocorrida em em 2013. Foram 67 dias fora das salas de aula. 

 

Alan Cosme/HiperNoticias

manifestação do rga

 

Também durante a greve geral, que contou com a participação dos Agentes Penitenciários, representado pelo Sindispen, a população cuiabana viveu momento de terror, durante um fim de semana, onde líderes do Comando Vermelho promoveram atentados contra policiais, agentes e cidadãos comuns que dependiam do transporte público para de locomover. 

 

Irritados com a falta de visitas e as condições em que estavam por conta da greve, os membros da facção criminosa mandaram incendiar ônibus, carros e motos na capital. Cerca de 10 pessoas foram presas acusadas de integrar a “noite de terror”. Antes disso, familiares de presos já tinham feito protestos em frente a Penitenciária Central do Estado (PCE).

 

Além das greves, houve também os movimentos nacionais apoiados por trabalhadores de Mato Grosso contra a corrupção, contra a PEC 241 e impeachment.

 

Avalie esta matéria: Gostei +1 | Não gostei








Leia mais sobre este assunto

Nó de Cachorro

Nó de Cachorro

Prefeito ora por VLT

Silval delator

Contas bloqueadas

Problema do MPF

Mais Notas

Últimas Notícias

Mais Lidas

Mais Comentadas