Quinta-Feira, 06 de Abril de 2017, 15h:00

Tamanho do texto A - A+

Servidores terceirizados da Farmácia de Alto Custo fazem greve por falta de pagamento

Por: JESSICA BACHEGA

Servidores terceirizados que trabalha na Farmácia de Alto Custo do Estado resolveram paralisar os trabalhos por falta de pagamento. Apenas seis funcionários da Secretaria de Estado de Saúde (SES) atendem ao público que busca medicações no local.

 

Reprodução

farmacia de alto custo

 Farmácia na manhã desta quarta

A sala de espera por atendimento está lotada desde a quarta-feira (5) paralisação e os poucos servidores disponíveis se revezavam no oferecimento de remédios aos pacientes. Uma farmacêutica estava no local orientando sobre as medicações. A farmacêutica é concursada e os outros cinco servidores que estão trabalhando no local são comissionados. 

 

Além de da falta de pagamento, os servidores em greve, que são contratados da empresa RV Ímola, apontam também escassez de medicamentos. Conforme informações o estoque de remédios está apenas com 50% dos adequado.

 

A assessoria de imprensa da secretaria foi procurada e informou que os pagamentos para a empresa RV Ímola estão regularizados até o mês de janeiro passado que o repasse do mês de fevereiro será feito ainda esta semana. Ressalta ainda que os serviços da farmácia estão funcionando normalmente.

 

A empresa RV Ímola foi procurada e informou que seu contrato junto ao Estado iria até o dia 30 de março e não houve sinalização para renovar o compromisso. A prestadora de serviço ressalta ainda que há quatro meses de pagamentos em atraso por parto do governo.

 

Confira nota da SES na íntegra:

 

A Secretaria de Estado de Saúde informa que, os pagamentos referentes a empresa RV Ímola estão em dias até o mês de Janeiro. Os pagamentos referentes ao mês de fevereiro serão pagos ainda esta semana. A SES informa ainda que os atendimentos e serviços referentes a Farmácia de Alto Custo estão funcionando normalmente.

 

Confira nota da RV Ímola na íntegra:

A RV Ímola informa que o último compromisso firmado com a Secretaria Estadual de Saúde do Mato Grosso, por meio de contrato emergencial, encerrou-se em 30 de março.

 

Ao longo dos últimos meses, a empresa tem passado por situações desconfortáveis, que nos levaram a responder até aos órgãos de controle por conta das sucessivas prorrogações de contratos emergenciais. Neste mesmo período, não recebemos nenhum aceno por parte do estado para a abertura de um processo licitatório, apenas um ofício solicitando mais 90 dias de prorrogação.

 

 

Neste oficio, também não há nenhuma programação ou menção dos pagamentos que a empresa tem a receber do estado, que totalizam quatro meses. Com isso, encerramos as nossas atividades no local ao término do compromisso assumido até 30 de março.

 

 

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei

Leia mais sobre este assunto