Domingo, 12 de Agosto de 2018, 15h:30

Tamanho do texto A - A+

Pai adotivo fala sobre afeto e adoção em Mato Grosso

Por: KHAYO RIBEIRO

Pai adotivo comemora família completa após adoção e faz um alerta para todos que optarem pelo processo: “tem mais pessoas querendo adotar, do que crianças querendo ser adotadas”. Admilson Mário de Assunção, 42 anos, é pai há cerca de três anos. Ele e o esposo, Paulo Junior Rodrigues, decidiram adotar uma criança em 2015 e contaram para o Hipernotícias sobre o processo.  

 

Reprodução

Pai adotivo

 

Segundo Admilson Mário, o processo é muito menos burocrático do que se imagina. Ele conta que entre o momento em que o casal entrou com o pedido no Fórum de Várzea Grande, até o dia do acolhimento da criança na nova família, se passaram menos de quatro meses. 

 

“Demos entrada com o pedido no Fórum, logo depois recebemos visitas da assistência social e pouco tempo depois já estávamos com o Alejandro (filho do casal) em casa”. 

 

O pai alerta a todos que estiverem interessados em adotar para que compreendam a realidade do sistema de adoção. “Eu costumo dizer que existem as crianças que as famílias querem adotar e existem as crianças reais”.  

 

Preconceito 

 

“Tanto para casais homoafetivos, quanto casais heterossexuais, a lei e o processo é o mesmo”, conta Admilson a respeito do processo de adoção. 

 

Contudo, apesar de a experiência do casal ter sido simples, Admilson conta que nem sempre é assim. Ele diz que durante o trâmite conheceu um outro pai que não teve a mesma sorte com o sistema.  

 

“Conhecemos esse homem que também estava interessado em adotar. Ele era do Rio de Janeiro, quando tentou adoção lá, uma juíza havia barrado o processo por homofobia”, desabafa Admilson 

 

Ele conta que o sistema de legitimação é nacional, dessa forma o homem conseguiu adotar dois meninos em Mato Grosso.  

 

 Vida nova 

 

Admilson é coordenador da Secretaria de Estado de Educação de Mato Grosso (Seduc), ele conta que a vida mudou com a nova formação familiar. “Agora a gente vai em escola e faz todas as outras coisas que qualquer família faz”, afirma o pai.  

 

Alejando tem o maior orgulho da gente, quando ele entrou na escola nova já foi falando que era adotado e que os pais dele eram gays”, comenta orgulhoso 

Credito: Reprodução
Credito: Reprodução
Credito: Reprodução
Avalie esta matéria: Gostei +6 | Não gostei