Quinta-Feira, 17 de Novembro de 2016, 15h:25

Tamanho do texto A - A+

No velório, mãe acusa tenente de ter afogado filho em curso aquático

Por: MAX AGUIAR

"Afogaram meu filho por 500 metros". A afirmação é de Jane Patrícia Claro, mãe de Rodrigo Claro, morto após participar de um treinamento de salvamento aquático na Lagoa Trevisan. A qualificação faz parte do curso de Formação do Corpo de Bombeiros Militar. 

 

Rádio Pioneira/Tangará da Serra

Velório de Rodrigo Claro

Corpo do aluno foi velado em Tangará e em seguida levado para Sinop

O jovem de 21 anos se formaria no dia 1º de dezembro, junto com o pai que é sargento dos Bombeiros e está fazendo curso para oficial. Para a Rádio Pioneira de Tangará da Serra, Jane Claro explicou que o filho relatou que estava sofrendo perseguições de uma tenente que atende pelo nome de guerra de Ladur e que na última conversa por WhatsApp ele relatou que não havia conseguido. 

 

Tenente Ladur identificada pela mãe de Rodrigo é Izadora Ladur. Ela era uma das coordenadoras do curso que ocorreu no dia 10 de novembro na Lagoa Trevisan, que fica às margens da Rodovia MT-040 que liga Cuiabá a Santo Antônio de Leverger. Após o acontecido, ela foi afastada dos trabalhos. Segundo Jane, os amigos que participavam do treiamento junto com Rodrigo relataram que ela agarrava a cintura do aluno soldado e por diversas vezes o levou para o fundo da lagoa.

 

Rádio Pioneira/Tangará da Serra

Velório de Rodrigo Claro

Jane Claro relatou que o filho foi afogado em treinamento

"Os amigos que estavam ao lado dele disseram que essa tenente Ledur se pendurava na cintura dele e levava ele ao fundo da represa. Ele foi o escolhido da vez. Entre 30 e poucos alunos do pelotão Araguaia, ele foi o escolhido deste dia para passar por tudo que passou. Durante este percurso,  estas sessões de afogamento que ele sofreu, os amigos pediram para a tenente pelo 'Amor de Deus para parar'. Ele pedia para parar porque não aguentava mais. Só que ela não parou. A travessia é de 500 metros e ele sofreu estas sessões por 500 metros", disse Jane durante o velório do filho em Tangará da Serra.

 

"Chegando do outro lado, ele disse que ia desistir. Isso os outros alunos me contaram. Eles (coordenadores) não deram tempo de descanso e fizeram eles parar. E retornando a tenente ainda levou ele ao fundo da lagoa mais uma vez. A partir daí ele só conseguiu chegar do outro lado da lagoa rebocado por três amigos. Meu filho tinha mais de um 1,80 metro e foi rebocado por um menino de um 1,60, magrinho, que foi amigo de verdade, porque não mediu esforços. O desejo da família é que se faça justiça”, descreveu.

 

O pai de Rodrigo,  sargento Claro do Corpo de Bombeiros, também foi ouvido pela Rádio Pioneira. Ele disse que seu filho apenas queria seguir o caminho que ele trilhou. “Estavam faltando 15 idas para encerrar o curso. O sonho do pai, da mãe e da família era ver o filho formado. Um filho que desde pequeno se espelhou no pai, sonhou ser bombeiro, passou no concurso e estava bem próximo deste sonho se realizar. Infelizmente aconteceu esta tragédia e temos que entender isso baseando em Deus somente”, concluiu.

 

Rádio Pioneira/Tangará da Serra

Velório de Rodrigo Claro

Corpo foi levado em caminhão do Corpo de Bombeiros para o local do velório

O corpo de Rodrigo após ser velado em Tangará foi sepultado em Sinop. Por enquanto, o Corpo de Bombeiros designou uma equipe, comandada pelo coronel Alessandro Borges, para acompanhar o inquérito policial. "Vamos apurar os fatos. A população pode ter certeza que a corporação não coaduna com excessos. São diversas informações, trabalhar, ouvir as testemunhas e comprová-las. Até agora tudo são informações de pais, alunos, nota oficial da Sesp. Vamos ouvir todos no processo”, disse o coronel.

 

O caso

 

O jovem Rodrigo Claro começou a passar mal durante o curso de salvamento em mergulho, no dia 10 de novembro.

 

Ele foi retirado do campo do curso e levado ao Batalhão, localizado no bairro Verdão, reclamando de fortes dores na cabeça. Primeiramente foi levado à policlínica.

 

Na unidade médica, não apresentou melhoras e precisou ser encaminhado para o hospital particular. Desde então, estava internado em coma induzido.

 

Ele morreu na noite de terça-feira (15) na UTI do Hospital Jardim Cuiabá.

 

Leia também:

 

"Interromperam o sonho de meu filho", diz mãe de soldado morto após treinamento

 

Corpo de Bombeiros designa coronel para acompanhar inquérito sobre morte de soldado

 

Aluno do Corpo de Bombeiros morre após passar mal em aula prática

 

Aluno do Corpo de Bombeiros passa mal após treinamento

 

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei - 1

Leia mais sobre este assunto




2 Comentários

mario - 18/11/2016

E ai Governador ainda irá deixar esse monstro ser condecorada a Capitã já deveria ter expulsado esse monstro que se diz Bombeiro que é para salvar vidas, aguardando a resposta senhor PEDRO TAQUES, até quando essa mulher monstro irá ficar na corporação e ainda promovida.

Ana Martha - 17/11/2016

Quero ver essa tenente presa afastada e de preferencia julgada por assassinato. Ela é uma assassina psicopata. Tem que ser internada num hospital para loucos perigosos para a sociedade. Deveriam divulgar a foto dela. Para que pudessemos passar bem longe.

INíCIO
ANTERIOR
PRÓXIMA
ÚLTIMA