Sábado, 24 de Dezembro de 2016, 17h:10

Tamanho do texto A - A+

Líderes evangélico e católico aconselham à reflexão e orientam fiéis a evitar consumismo

Por: RAYANE ALVES / JESSICA BACHEGA

Líderes religiosos de Cuiabá destacam que a celebração do Natal deve ser marcada, sobretudo, pela reflexão, sentimento de paz e união. O fortalecimento do comércio, típico deste período, não está entre os conceitos para comemorar a data.

 

Midia News

Pastor Sebastião Rodrigues

 

HiperNotícias ouviu representantes das igrejas Católica e Evangélica sobre a data que marca o nascimento de Jesus.

 

O presidente da Igreja Evangélica Assembleia de Deus de Cuiabá e região, pastor Sebastião Rodrigues de Souza, observa, primeiramente, contradição na data. Segundo ele, a bíblia não relata o dia exato em que Jesus nasceu, e por isso, a comemoração não fazia parte das tradições cristãs no inicio.

 

Conforme estudiosos, o Criador teria nascido em abril, porém, o imperador Romano convencionou para 25 de dezembro, conforme explicações do pastor.

 

Porém, apesar das incertezas, 25 de dezembro, o religioso lembra que Jesus Cristo veio ao mundo para trazer a salvação a todos os pecadores.

 

“Apesar das datas que trazem alguns conflitos sabemos que para todos os cristãos é o momento para lembrar quando Jesus foi gerado no ventre da virgem Maria e comemorar com reflexões e sentimentos de viver em paz com as pessoas e não com bebedeira, churrascos e entrar na lógica do comércio porque eles apenas usam o momento para vender mais”, salienta o pastor.

 

O padre Deusdédit de Oliveira da Paróquia Imaculado Coração de Maria, em Cuiabá, reafirma que o período natalino leva ao despertar de muitos sentimentos que estavam adormecidos nas pessoas como a solidariedade, a alegria, a união e a fraternidade.

 

Reprodução

padre deusdedit

 

Com isso, conforme o pároco, leva a confraternização e a reflexão das pessoas sobre as mudanças que querem para sua vida, tornando a si uma pessoa mais feliz e promovendo felicidade para aqueles que amam.

 

“É um período para refletir sobre nosso comportamento de buscar melhorar. Pois Deus mandou seu filho para nos salvar. Ele nasceu num lugar simples e humilde e recebeu presentes dos três Reis Magos que vieram de muito longe visitá-lo, o que nos ensina a ser humildes, a valorizar e respeitar as pessoas que estão ao nosso redor, independente das diferenças”, cita o padre.

 

Árvore de Natal

O padre também explica algumas simbologias deste período e que mudas vezes passam despercebidos.

 

“A árvore de Natal representa a árvore da vida, é o tronco que Jesus deve ser na vida das pessoas. As luzes que enfeitam as casas representam a luz que Cristo deve ser no caminho de cada um. O presépio representa a pobreza de Jesus em comparação com a sua importância”, explica.

 

O pároco ressalta que o Natal é um momento de rever a atitude perante a sociedade. O padre prega a tolerância para uma vida melhor entre os povos.

 

“Jesus é aquele que une toda a humanidade. É o ponto de amor. É preciso que haja amor e respeito entre os religiosos de todas as culturas. Onde nasce a amizade entre duas pessoas Jesus está presente”, afirma.

 

Mudança em casa

O pároco ressalta a importância de iniciar a mudança dentro de casas, tornando-a mais harmoniosa e de alegria. “Muitas pessoas se indignam com as guerras no oriente, com a violência no mundo, mas às vezes agride com palavras seus amigos e a família. Não adianta se revoltar com a violência que existe lá fora se ela também está presente na sua própria casa”, afirma.

 

Sobre o comércio

Deusdédit lembra que as compras e presentes de Natal são importantes para girar a economia e aquecer o comércio, mas não são o ponto principal da data.

 

“Sabemos que os presentes são importantes, mas é preciso ter mais controle e não se entregar ao consumismo esquecendo do verdadeiro significado da data que é comemorar o nascimento do menino Jesus”,  pondera padre Deusdédit. Deste mesmo pensamento comunga o pastor evangélico.

 

Melhorar com o próximo

Na avaliação do pastor, o dia 25 de dezembro também deve ser para refletir em todas as ações que foram praticadas durante o ano e sempre pensar em melhorar o próximo.

“Ás vezes no calor do momento a gente diz coisas, julga e fazemos o mal. Mas, o fato é que nem sempre queríamos praticar o desejar o mal a alguém. Então poderemos ir até a pessoa e pedir perdão”, afirma líder evangélico.

 

Sobre o perdão

“A palavra de Deus diz que ele perdoou 70x7. Se Deus que é um ser onisciente, onipresente e onipotente perdoa quem somos nós seres humanos tão frágeis para sair julgando os atos das pessoas. Devemos viver unidos porque fazemos parte da mesma família e temos a certeza de que Jesus voltará para nos levar e vivermos com ele na eternidade”, completou o pastor. 

 

Divulgação

Comércio Natal

 

Símbolos

Pelos fatos históricos as comemorações de Natal incluem vários símbolos tradicionais. Entre eles a ceia natalina, a árvore, Papai Noel, as músicas, as trocas de presentes, o presépio, a estrela, entre outras decorações.

 

Conforme as tradições, a árvore é um dos mais populares e pelos relatos existem muitas versões sobre a associação da árvore.Uma delas seria o formato triangular do pinheiro que representa a Santíssima Trindade.

 

O Papai Noel foi inspirado no bispo do século III, São Nicolau, que ficou responsável por levar os presentes para as crianças.

 

A estrela é a menção do símbolo que guiou os reis magos até o local onde estava Jesus Cristo, e, por fim os presentes faz menção a todos os presentes que Jesus ganhou.

 

O primeiro deles é o ouro que tinha intenção de mostrar que Jesus Cristo era rei, o segundo foi o incenso que simboliza que Jesus seria sacerdote, que conforme a linhagem de Melquisedeque (Hebreus 7,17 e 21), Jesus intercederia pela sociedade para sempre. E a mirra, que é um óleo cheiroso extraído de uma planta espinhosa, era utilizada pelos profetas para ungir as pessoas. E Jesus foi consagrado para anunciar um novo tempo da Graça de Deus.

Avalie esta matéria: Gostei +1 | Não gostei

Leia mais sobre este assunto