Quinta-Feira, 06 de Dezembro de 2018, 15h:13

Tamanho do texto A - A+

Família faz campanha para repor estoque de sangue em hospital de Cuiabá

Por: WILLIAN BELTER

A família da pequena Antonela Oliveira Almeida. 2 anos, pede doações para restabelecer o estoque do Hospital Santa Rosa, onde ela está internada desde o dia 1° deste mês. A paciente veio transferida de Sinop (481 km de Cuiabá) para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) da instituição apresentando um quadro grave de infecção que acarretou em outas complicações.

 

A campanha é uma iniciativa da mãe da menina, Laura Maryele Oliveira de Almeida, diante da situação da filha e outros pais que também se encontram na mesma situação. 

 

REPRODUÇÃO

antonela

 

“Nós chegamos aqui no sábado, por volta das 23h, e não tem previsão de alta porque é um tratamento muito longo. A septicemia com complicações é uma doença que controla uma coisa e descompensa em outro órgão”, explicou a mãe.

 

Após ver a melhora da filha com a transfusão de sangue, Laura decidiu pedir ajuda para abastecer o estoque do banco de sangue. Conforme ela, a mobilização não é somente por causa do problema da menina, mas também de outros pacientes que necessitam de sangue.

 

“Eu acho importante como campanha de conscientização porque até enquanto você não sente a dor, você não se conscientiza do quanto é importante esse gesto gratuito e solidário de doação de sangue. Ele realmente salva-vidas, então é uma mobilização, porque além da minha, filha existem outras pessoas na UTI, no hospital como um todo que necessita desse bem tão valioso que é o sangue”, relatou a mãe.

 

Antonela continua internada na UTI, porém, não está mais recebendo a transfusão de sangue, no entanto, a família acredita que a doação de seria uma forma de retribuir o tratamento recebido. “Nós estamos repondo aquele que foi utilizado e também como uma forma de agradecimento porque alguém, em algum momento fez essa doação de sangue que salvou a vida dela, nós estamos fazendo como uma forma de retribuição”, contou Laura.

 

A mãe afirma que é importante frisar que por menor que seja os sintomas em uma criança, tudo tem que ser investigado, porque o que parecia ser uma coisa tão simples, um foco de infecção no intestino, foi diagnosticado como infecção urinária e evoluiu para o quadro atual.

 

“Não é comum o quadro dela, uma complicação desse tamanho, mas a importância que todos os sintomas em uma criança precisa ser investigado. A gente tem que parar de tratar com naturalidade e tudo em criança é virose porque pode não ser”, concluiu.

 

A doação pode ser feita no banco de sangue que fica anexo ao hospital Santa Helena, na rua Maria do Carmo nº 23, (bairro) Santa Helena, de segunda-feira até sexta-feira, das 07h às 17h.

Avalie esta matéria: Gostei +19 | Não gostei