Sábado, 07 de Outubro de 2017, 09h:07

Tamanho do texto A - A+

Vereadores se revoltam e clima fica ruim para Emanuel

 

Blog do Mauro Cabeçalho

 

Não pegou nada bem a postura do prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (PMDB) diante da suplementação orçamentária à Câmara Municipal, discutida em sessão extraordinária. O fato de discutir o assunto com a presença da imprensa e transferindo a responsabilidade do caso para o Legislativo revoltou muitos vereadores.

 

 

 

Desgaste

 

A revolta se baseia no fato de que o repasse de cerca de R$ 5 milhões ao Legislativo por meio de um Projeto de Lei, como determinou a Justiça ao barrar decreto orçamentário assinado por Pinheiro no início do mês, vinha sendo discutido entre os dos poderes. Da forma como Pinheiro conduziu o processo na Câmara, os vereadores acabaram assumindo todo o desgaste da medida.

 

 

 

Demissões

 

Sem os recursos, o presidente da Câmara, Justino Malheiros (PV), afirmou que na próxima semana deverá demitir os servidores comissionados – mais de 400 – para assegurar que o Legislativo tenha condições de fechar as contas deste ano de forma equilibrada.

 

 

 

Adesões

 

Com isso, alguns vereadores que livraram Pinheiro de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) por conta do vídeo em que o prefeito, à época deputado estadual, aparece recebendo dinheiro vivo do chefe de gabinete do ex-governador Silval Barbosa (PMDB), Sílvio Cezar Corrêa Araújo, admitem a adesão a um pedido de abertura de uma Comissão Processante contra o prefeito.

 

 

 

Tchau

 

Emanuel respondeu as perguntas feitas pelos jornalistas sobre a suplementação, defendendo que a legislação seja cumprida e pregando respeito à Justiça e ao Tribunal de Contas do Estado (TCE), que barraram o decreto. Quando os repórteres iniciaram as perguntas sobre o vídeo, Pinheiro deixou a imprensa falando sozinha e saiu às pressas, errando inclusive a porta da saída.

 

 

 

Podemos

 

O senador Álvaro Dias, pré-candidato à Presidência pelo Podemos, fez um convite formal ao ex-prefeito de Cuiabá, Mauro Mendes (PSB), para ser candidato ao governo pela sigla. Os dois jantaram juntos na casa do empresário, cortejado por diversas siglas para a disputa eleitoral do ano que vem.

 

 

 

Detalhes

 

De Mendes, Dias ouviu que ele ainda não sabe se disputará as eleições do ano que vem, uma vez que desistiu da reeleição à prefeitura para se dedicar à família e aos seus negócios, só retornando à política quando suas questões empresariais estiverem resolvidas, o que ainda não ocorreu.

 

 

 

Menos um

 

O pedido de investigação do ex-secretário-chefe da Casa Civil, José Adolpho, por parte do Ministério Público Estadual (MP), por supostas participação na fraude ao sistema de protocolo do Palácio Paiaguás já era esperado pelo governo. Desta vez, o Executivo se antecipou ao novo desgaste e optou pela saída dele da gestão antes do pedido do MP.

 

 

 

 

Sem escalonamento

 

A Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz) trabalha para quitar a folha de pagamento dos servidores ativos e inativos do mês de setembro na próxima terça-feira (10). Os rumores de que haveria um escalonamento no pagamento dos salários ganharam força com a mudança na data de repasse aos aposentados e pensionistas, mas foram desmentidos pelo governo.

 

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei