Quarta-Feira, 30 de Agosto de 2017, 09h:42

Tamanho do texto A - A+

Quase todos os deputados receberam propina, aponta delação

Blog do Mauro Cabeçalho

 

A divulgação dos 15 apensos da delação premiada do ex-governador Silval Barbosa (PMDB) e de seu chefe de gabinete, Sílio Cézar Corrêa Araújo, além de três familiares do político revelou que o número de deputados estaduais da legislatura anterior que teria recebido propina é maior do que aquilo que havia sido revelado em vídeos que chocaram o país. Conforme planilhas entregues por Sílvio aos procuradores, 24 deputados e suplentes da legislatura anterior teriam sido agraciados com propina, arrecadada de empreiteiras que prestaram serviços no MT Integrado.

 

Ironia

Uma das ironias que envolvem a gravação dos vídeos dos deputados e ex-deputados recebendo propina, é que quem ajudou Sílvio a instalar a câmera em seu gabinete foi um servidor da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT).

 

Enterrada

A pressão popular não surtiu o efeito esperado e 19 vereadores de Cuiabá se recusaram a assinar o requerimento para instaurar uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar um dos flagrados pelos vídeos de Sílvio, o ex-deputado estadual, hoje prefeito, Emanuel Pinheiro (PMDB). A ampla maioria dospresentes nas galerias da Casa era constituída por servidores comissionados e cabos eleitorais do prefeito e de vereadores da base governista.

 

Casa dos horrore

Desta forma, a Câmara Municipal de Cuiabá retoma para si o apelido que a nova legislatura jurou fazer a população esquecer, o de Casa dos Horrores. Os vereadores que impediram a instalação de uma CPI se curvaram efetivamente aos interesses fisiológicos, a indicação de cargos na estrutura municipal. Já se comenta à boca pequena que muitos teriam interesse em implantar na Câmara o esquema de mensalinho confessado por Silval Barbosa e que expôs o prefeito Emanuel Paletó Pinheiro.

 

Retaliação

Os seis vereadores que apoiaram a criação da CPI devem sofrer retaliações por parte do Executivo e até mesmo internamente, no Legislativo. Ainda há a possibilidade de mais três vereadores assinarem o requerimento, mas o certo é que este grupo enfrentará dias bem difíceis por conta do posicionamento adotado.

 

Em Brasília

Sabendo da alta demanda que terá nos próximos meses, possivelmente por alguns anos, o procurador-geral de Justiça, Mauro Curvo, esteve em Brasília e se reuniu com procuradores responsáveis pela delação de Silval. Embora o Ministério Público Estadual (MP) tenha que aguardar o fatiamento das investigações, a cargo do STF, a ideia é que o compartilhamento do material ocorra de maneira célere.

 

Quebra-cabeças

Fontes do MP afirmam que boa parte do material oriundo da delação de Silval, Sílvio e companhia integrará investigações já em andamento no Estado. “São peças que faltavam para a conclusão de muitas das investigações”, explica a mesma fonte.

 

Prestigiado

Ao ser homenageado em São Paulo, o ministro da Agricultura, Blairo Maggi (PP), recebeu o apoio de diversos governadores por sua atuação à frente da pasta. Cinco governadores prestigiaram o evento e elogiaram Maggi, ao lado do diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Roberto Azevêdo.

 

No cargo

Maggi seguirá à frente do Ministério da Agricultura, assegurou o presidente Michel Temer (PMDB). Blairo chegou a colocar o cargo à disposição do presidente, mas recebeu como resposta que o apoio a ele e a seu trabalho, elogiado por diversos setores da sociedade, permanecem inalterados.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei