Terça-Feira, 09 de Janeiro de 2018, 16h:40

Tamanho do texto A - A+

Pressões eleitorais começam a se intensificar

Blog do Mauro Cabeçalho

 

O ano mal começa e já se discute com certa intensidade o processo eleitoral e as candidaturas possíveis nas eleições de outubro. Mas será depois do Carnaval que o assunto pegará fogo.

 

 

Arrumação
Candidatos às vagas de deputado estadual e federal precisam ajustar suas posições e vão pressionar pela definição dos principais líderes políticos e pré-candidatos aos cargos majoritários.

 

 

Bola da vez
Mauro Mendes (sem partido) é o nome com maior assédio político e partidário neste momento. Tem candidatura ao Governo garantida tanto pelo DEM como pelo PP, partidos que já oficializaram convite de filiação.

 

 

Candidato do Blairo
O senador Blairo Maggi (PP), ministro da Agricultura e principal candidato na disputa por uma das duas vagas ao Senado, não só quer a filiação de Mauro Mendes como também defende com forte convicção a candidatura do ex-prefeito de Cuiabá.

 

 

Desgaste
Blairo avalia que o governador Pedro Taques (PSDB) será uma candidatura pesada em razão do desgaste acumulado ao longo dos últimos três anos e acha que a crise financeira do Estado não será equacionada a tempo de proporcionar uma “folga política” ao Governo.

 

 

Outro lado
Muitos políticos, no entanto, discordam da tese de “candidatura pesada”. Avaliam que o Governo entregará muitas obras neste primeiro semestre de 2018, o que asseguraria um peso eleitoral importante a Pedro Taques.

 

 

A crise
No Paiaguás, apesar da expectativa positiva em torno da entrega de obras, há ainda certo ceticismo. Muita gente na área econômica avalia que poderá ocorrer atraso no pagamento do funcionalismo, de fornecedores e prestadores de serviço e, seguramente, no duodécimo dos poderes.

 

 

Definições
O governador Pedro Taques reassume o Governo nesta quarta-feira, depois de dez dias de descanso. Vai enfrentar uma agenda cheia de decisões políticas e econômicas a tomar. Entre elas o rumo da política de Comunicação, já que o jornalista Kleber Lima deverá deixar o GCom até o próximo dia 15.

 

 

Fio da Navalha
Há uma queda de braço enorme entre aqueles que defendem a divulgação das ações do governo desde agora – já que o período de veiculação em razão do ano eleitoral é curto – e aqueles que querem manter suspensa a mídia por mais 90 dias.

 

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei