Quinta-Feira, 26 de Outubro de 2017, 09h:06

Tamanho do texto A - A+

PR isola Fagundes de olho em dissidentes do PSB

Blog do Mauro Cabeçalho

 

Corre nos bastidores a informação que o Partido da República deve isolar o senador Wellington Fagundes (PR) de olho na possibilidade de ter entre seus filiados os deputados Fábio Garcia e Adilton Sachetti, que nesta semana se desfiliaram do PSB. Outro nome na mira dos republicanos é o do ex-prefeito de Cuiabá, Mauro Mendes.

 

Espaço
Uma das promessas da direção do PR para conquistar os ex-pessebistas é a possibilidade de que eles terão todo o espaço necessário para atuarem e acomodarem todo o grupo político na sigla, que deverá ter entre seus principais nomes outro pessebista, o deputado estadual Oscar Bezerra.

 

Sonho
Um dos sonhos dos republicanos é a retomada do comando de Mato Grosso, que poderia ocorrer se Mendes, que já disputou uma eleição pelo partido e saiu em 2010, justamente para o PSB, para tentar o governo, se decidir por ser candidato à sucessão do atual governador, Pedro Taques (PSDB).

 

Distante
Enquanto isso, Fagundes tenta se manter distante de todo o processo, à espera de uma definição. Uma das provas deste silêncio é que ele perdeu o posto de principal porta voz da oposição para o conselheiro afastado, em processo de aposentadoria do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Antônio Joaquim, de malas prontas para o PTB.

 

Clima ruim
Na bancada federal o clima não é bom. O deputado Valtenir Pereira (PSB) corre o risco de ser representado por seus colegas junto ao Conselho de Ética. Ele teria, sem o consentimento dos demais deputados, alterado a destinação da emenda impositiva que os parlamentares de Mato Grosso têm direito. Em público ninguém comenta.

 

Oportunistas
Enquanto ameaçam o governador Pedro Taques (PSDB) por conta do atraso nos repasses, os prefeitos não dão nenhum pio no que se refere ao presidente Michel Temer (PMDB), mesmo sendo a União responsável pelos cortes mais drásticos nos repasses de recursos para as prefeituras. Tudo isso em nome das emendas parlamentares, em alta por conta da situação do peemedebista na Câmara dos Deputados.

 

Dedo
Há quem diga que a postura dos gestores, capitaneada pelo presidente da Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM), Neurilan Fraga (PSD),  tem o dedo do vice-governador Carlos Fávaro (PSD). A ideia é enfraquecer Taques para forçá-lo a desistir de uma eventual reeleição.

 

Fúria de Fux
Ao emitirem um documento com validade de alvará e tirarem o deputado Gilmar Fabris (PSD) da prisão, os deputados estaduais podem ter comprado uma briga com o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, que colocou o parlamentar na cadeia. A expectativa por uma manifestação do ministro ainda nesta semana é grande.

 

Pressa
Juristas consultados pela coluna afirmam que os parlamentares não teriam o poder de emitir um alvará de soltura em favor de Fabris. O certo, defendem os advogados, é a Assembleia Legislativa ter enviado uma cópia da decisão para Fux, ele sim com legitimidade para soltar o pessedista.

 

Reunião
O governador Pedro Taques (PSDB) convidou o presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, desembargador Rui Ramos, para uma reunião. Em pauta, o atraso nos repasses constitucionais por parte do Executivo ao Poder Judiciário. A ideia do tucano é realizar quantas reuniões forem necessárias para que haja um consenso entre os Poderes.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei