Quinta-Feira, 19 de Outubro de 2017, 08h:41

Tamanho do texto A - A+

Paulo Taques nas mãos de Campbell

Blog do Mauro Cabeçalho

 

Com a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, em sequer analisar o habeas corpus impetrado pela defesa do ex-secretário Paulo Taques, a única chance dele deixar a prisão em um curto prazo passa pelas mãos do ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Mauro Campbell.

 

De novo
A juíza da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, Selma Rosane Santos Arruda, e o Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) foram novamente citados em procedimentos relacionados com a grampolândia. Desta vez, a informação de que eles teriam interceptado pessoas ilegalmente partiu do cabo Gérson Corrêa, apontado como operador do sistema.

 

Susto
A revelação da íntegra da oitiva chama a atenção por diversos detalhes que, ao invés de esclarecerem as histórias em apuração, causam ainda mais controvérsia. O primeiro é justamente o momento em que o depoimento foi realizado, após a decisão de Campbell avocando o inquérito, ainda que a Justiça de Mato Grosso, segundo consta, não tinha sido oficialmente notificada da decisão.

 

Cobertura
Outro detalhe que chama a atenção é o fato de que as acusações feitas pelo militar tratam de interceptações contra o ex-governador Silval Barbosa (PMDB) e o ex-deputado José Geraldo Riva. Convenhamos, não faltavam indícios de irregularidades e nem episódios suspeitos que pudessem gerar pedidos de interceptação legítimos e embasados contra os dois.

 

Interesses
É preciso dar um passo atrás em todo este episódio, perceber quais são os atores envolvidos e suas ligações para entender que há muitos interesses em jogo, de alguns personagens que, inclusive, podem tentar tirar algum tipo de proveito da grampolândia pantaneira.

 

Atrito
A realocação de recursos da emenda impositiva da bancada de Mato Grosso, que tirou parte dos valores reservados para equipar o novo Pronto-Socorro de Cuiabá, gerou um forte atrito entre o prefeito da capital, Emanuel Pinheiro (PMDB), deputados federais e senadores. A destinação de R$ 50 milhões para o custeio da Saúde, decidida sem a presença do prefeito, foi atacada pelo peemedebista.

 

Em falta
O medo de Pinheiro é que o Estado não honre os compromissos assumidos pelo secretário-chefe da Casa Civil, Max Russi (PSB), para convencer a bancada de repassar, por meio de um convênio, R$ 30 milhões para que os valores previstos para a compra de equipamentos, R$ 80 milhões, estejam assegurados. Russi afirmou que os pagamentos serão feitos em dia.

 

Limite
A equipe econômica do governo tem ordem expressa para empenhar até o final do mês a maior parte das emendas parlamentares deste ano. Quer, com isso, assegurar a aprovação da PEC sem mais nenhum susto. Se isso não ocorrer até 31 de outubro, o valor fica à disposição do Executivo e as indicações não serão contemplados.

 

Um dia
Na Câmara, há um movimento de vereadores no sentido de condensar, em um único dia, as duas sessões ordinárias da semana. A alegação é a de que não há servidores em número suficiente para assegurar que o Plenário funcione às terças e quintas. O detalhe é que conforme a Mesa Diretora há 120 servidores entre concursados e comissionados ainda trabalhando.

 

Mínimo
Paralelo a isso, a Câmara trabalha para saber quanto dinheiro tem sobrando. A ideia é contratar um grupo mínimo de comissionados, de modo a assegurar o funcionamento dos gabinetes, ainda que de forma precária. Por conta da demissão em massa, vários deles encontram-se fechados.

 

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei