Terça-Feira, 07 de Novembro de 2017, 17h:59

Tamanho do texto A - A+

Insatisfação de Taques com o PSDB é real

Blog do Mauro Cabeçalho

 

A insatisfação do governador Pedro Taques com o PSDB existe, assim como a insatisfação de filiados ao PSDB com Taques também é verdadeira. No entanto, a sigla não quer deixar escapar o chefe do Executivo, que mira a reeleição em 2018. Diante disso, na última semana, escolheram para presidir a legenda Paulo Borges, ex-vereador que atualmente integra o staff de Taques. De perfil conciliador, a principal missão de Borges será apaziguar a situação.

 

Aclamado
Paulo Borges será conduzido ao cargo de presidente estadual do PSDB por aclamação. O secretário de estado Carlos Avalone chegou a colocar seu nome para disputar o cargo, mas com o entendimento da maioria por Borges, desistiu. A nova diretoria será escolhida na próxima sexta-feira (10).

 

Insatisfação geral
O descontentamento de Taques se daria porque no momento de dificuldade que o Governo passa, os integrantes do partido não estariam dando apoio suficiente ao gestor. Por outro lado, prefeitos, deputados e vereadores estariam insatisfeitos com Taques em razão de sua forma de governar. Vale ressaltar que o principal problema seria o atraso de repasses.

 

Senado sim
Além da falta de apoio, o governador Pedro Taques também não teria “engolido” a deliberação da legenda de lançar Nilson Leitão candidato ao Senado. Para Taques, o PSDB não teria condições de “bancar” duas candidaturas majoritárias. No entanto, a maioria dos integrantes do partido entendeu que como em 2018 estarão em jogo duas vagas ao Senado, haveria sim legitimidade por parte do agremiação para pleitear uma delas.

 

Precavidos
Embora ainda não tenha discutido com nenhuma liderança do partido seu desejo de sair do PSDB, internamente já há um esforço para demover Pedro Taques da ideia. “Estamos nos precavendo. Queremos tirar ele dessa ideia de deixar o partido. Ele ainda não falou com a gente, mas onde há fumaça, há fogo”, disse uma das fontes da coluna sobre as notícias de que o governador cogita ir para o PPS.

 

Novo ataque
O ministro da Agricultura, Blairo Maggi (PP), sofreu um novo ataque. Desta vez de um tal Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos que divulgou matéria informando que a joint venture formada pela Amaggi e a empresa holandesa Louis Dreyfus Company, possui uma off shore na Ilhas Cayman.

 

Maledicência
A matéria, divulgada pelo UOL e outros sites locais, se empenha em sugerir que há algo “estranho” no fato de Blairo Maggi e outros sócios da Amaggi serem beneficiários da off shore. A própria matéria, no entanto, traz declaração do ex-chefe da Receita Federal, Everardo Maciel, e do professor da USP Heleno Torres, especialistas em tributação, dando conta de que não há irregularidade no caso.

 

Presidenciáveis
Além de Blairo Maggi, cogitado como vice de Geraldo Alckmim (PSDB) na campanha presidencial do próximo ano, também o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, virtual candidato a presidente da República, é citado como dono de uma off shore.

 

Expectativa frustrada
A frustração de R$ 1,7 bilhão em receitas orçamentárias comprometeram definitivamente as finanças públicas estaduais. O valor estava previsto na Lei Orçamentária Anual (LOA 2017), aprovada em 2016 e decorria de operações de crédito que não se efetivaram e nem ocorrerão este ano.

 

Orçamento furado
Outro problema enfrentado por diversos setores do governo é o déficit orçamentário, o que tem impedido o empenho de serviços prestados por fornecedores do Estado.

 

DEM é favorito
O Democratas é o partido preferencial dos parlamentares e líderes políticos que deixaram ou vão deixar o PSB em Mato Grosso. A revelação é do deputado federal Fábio Garcia, que já deixou o partido. Ele, no entanto, diz que não houve a decisão ainda e que conversa com outros partidos, caso do PP, PR, PSDB e PSD.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei