Quarta-Feira, 23 de Agosto de 2017, 00h:43

Tamanho do texto A - A+

Improvável marca novo trecho de delação de Silval

Blog do Mauro 2

 

A revelação da existência de um acordo envolvendo o ex-governador Silval Barbosa (PMDB) e o atual, Pedro Taques (PSDB), que teria sido firmado em 2014, beira o inverossímil. A informação - que estaria no acordo de delação do peemedebista com a Procuradoria-Geral da República (PGR) - aponta que em troca de um “corpo mole” de Silval no apoio a seu candidato à época, o ex-vereador Lúdio Cabral (PT), Taques não investigaria as contas de suas campanhas. Vamos aos fatos.

 

Momento político

Em 2014, a gestão do ex-governador Silval Barbosa (PMDB) estava entre as mais mal avaliadas da história, enquanto Taques, com quatro anos de Senado, despontava como candidato natural da oposição ao peemedebista, uma vez que o grupo que estava à época na situação sofria com a enorme rejeição ao candidato do PT. Taques venceu com folga a disputa, ainda no primeiro turno.

 

Fora do quadro

Apontado como articulador do acordo, o ministro da Agricultura, Blairo Maggi (PP), se manteve completamente fora do processo eleitoral daquele ano. Além de ter grande parte dos seus amigos ao lado de Taques, o senador licenciado, à época no PR, possuía sérias divergências com Lúdio e não escondia o fato de ninguém.

 

Suspensão

Logo após tomar posse como governador, Taques determinou a suspensão de todos os pagamentos dos restos da gestão de Silval, conseguindo reverter a quitação de diversos repasses feitos no apagar das luzes pelo peemedebista. A medida não demonstra a existência de nenhum acordo político entre os dois.

 

Auditorias

Além de suspender os pagamentos feitos no final da gestão de Silval, Taques determinou a realização de diversas auditorias, que constataram irregularidades em várias áreas da administração pública, uma delas, em especial, a questão da concessão dos incentivos fiscais. Foi graças a este trabalho, inclusive, que a Polícia Civil começou a Operação Sodoma, que culminou com a prisão de Silval e da organização criminosa chefiada por ele.

 

Luz

Embora seja reconhecida a boa intenção do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, que homologou a delação de Silval e a mantém em sigilo, parece ser razoável dar publicidade aos anexos do acordo para que todos os citados possam se defender das acusações. Vale lembrar que o ônus da prova, ou seja, a obrigação de provar, ainda cabe a quem acusa.

 

Na telinha

Uma parte dos deputados estaduais adotou um hábito diário: acompanhar o noticiário do Estado na TV. Eles sabem que, mais dia, menos dia, revelações de atos nada republicanos ditos por Silval, os atingirão. Ainda mais porque há a informação de que alguns destes encontros foram gravados.

 

Licença

Por falar em Assembleia Legislativa, o deputado Eduardo Botelho (PSB) deve se afastar por cerca de 10 dias de suas funções. Com isso, provavelmente a Proposta de Emenda à Constituição (PEC), que estipula um teto nos gastos públicos, tramitará sob as ordens do vice-presidente da Casa, Gilmar Fabris (PSD).

 

Estamos juntos

O empresário Eraí Maggi (PP) descartou qualquer chance de ser candidato ao governo e de se tornar oposição ao governador Pedro Taques (PSDB). Ele rebateu as afirmações do presidente estadual do PP, Ezequiel Fonseca, e aconselhou o parlamentar a ouvir mais as bases.

 

Podemos

Depois de espernear, fazer beicinho e reclamar, o senador José Medeiros deixou o PSD e assinou sua filiação ao Podemos. Resta saber se a sigla caminhará com Taques nas eleições do ano que vem ou se o ex-suplente do atual governador migrará para a oposição.

 

Avalie esta matéria: Gostei +1 | Não gostei - 2