Quarta-Feira, 05 de Julho de 2017, 10h:21

Tamanho do texto A - A+

Delação de Nadaf tem arsenal contra figurões

Blog do Mauro Cabeçalho

 

O ex-secretário Pedro Nadaf não poupou ninguém em seu acordo de colaboração premiada. Durante o depoimento que prestou à Justiça nesta terça-feira (4), ele chegou a ser questionado pelo advogado de um dos réus na Operação Sodoma a respeito do assunto e chegou a citar nomes.

 

 Sob sigilo

Além de se negar a responder a pergunta do advogado, que questionou o ex-secretário sobre o fato dele ter dito que repassou recursos para tais pessoas, Nadaf contou com o apoio da juíza Selma Arruda, que indeferiu a pergunta e lembrou que a íntegra da colaboração segue sob sigilo.

 

Só 10%

Outro que pode ter munição para alvejar alguns personagens do universo político é o ex-presidente da Metamat, José Justino Paes de Barros. Ele confessou que lucrou R$ 20 mil adquirindo ouro a mando de Nadaf, mas isso corresponde a apenas 10% do que devolveu em seu acordo de delação. Os outros 90%, dizem, correspondem a outras operações, devidamente delatadas.

 

Menos de 1%

Uma pessoa que tem amplo conhecimento das investigações, sobretudo pelo fato de fazer parte do rol de investigados em várias operações, garante que a chance da delação de Nadaf atingir o ministro Blairo Maggi (PP) é de menos de 1%.

 

Cadeirada

Aliás, Nadaf confirmou que o ex-governador Silval Barbosa (PMDB) quase apanhou do empresário Valdir Piran dentro do Palácio Paiaguás, depois de ter pago uma dívida com cheques sem fundos. O peemedebista foi salvo por Nadaf de ter levado uma cadeirada, mas não escapou de ser chamado de “picareta”.

 

Olho nele

Nesta quarta-feira (5) será a vez do ex-governador Silval Barbosa (PMDB) prestar seu depoimento. Mas há quem aposte que seu chefe de gabinete, Sílvio Cezar Corrêa Araújo, que também irá depor, tem tudo para roubar a cena do alto de sua função de operador do político no que se refere a negócios nada republicanos.

 

De surpresa

Pegou o mundo político de surpresa a mudança no comando da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sedec). Sai Ricardo Tomczyk, que pediu para sair e voltar à iniciativa privada, e entra Carlos Avalone Júnior (PSDB), suplente de deputado estadual.

 

Ressureição

A mexida, mais uma no staff do governador Pedro Taques (PSDB) foi classificada por diversas pessoas próximas ao governo como a ressureição de Avalone, nos últimos anos relegado aos bastidores. Vale destacar que ele já ocupou este cargo no governo de Dante de Oliveira.

 

Alvoroço

Causou alvoroço o lançamento do edital do concurso público para profissionais da educação básica, lançado nesta terça-feira pelo governo. Diversos sites ficaram congestionados por conta do número de pessoas em busca de informações sobre o certame. Ao todo, são 5.748 vagas, sendo 3.324 para o cargo de Professor da Educação Básica, 1.496 para Apoio Administrativo Educacional e 928 para Técnico Administrativo Educacional, além de cadastro de reserva de 50% do total de vagas.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei