Segunda-Feira, 31 de Julho de 2017, 17h:29

Tamanho do texto A - A+

Viver é um grande negócio

Passamos inventando desculpas emocionais para enganar aquela parte da mente que necessita de equilíbrio

Por: WILSON CARLOS FUÁH

                 

Divulgação

wilson fuá

 

A maioria das pessoas são absolvidas pelas duras rotinas, e não conseguem ter um momento sequer com elas mesmas, vivem para os negócios do mundo e esquecem-se da particularidade da sua própria vida.

 

Passamos inventando desculpas emocionais para enganar aquela parte da mente que necessita de equilíbrio. Alguns sentem a necessidade de parecer ilimitado, o que é puramente emocional, mas há momentos na vida que temos que “adultalizar” as ações e racionalizar os fatos ou desprezar alguns projetos impossíveis para não se arrepender de tudo que fizemos.

 

O importante é saber que o mundo é um grande negócio e as nossas finanças é o único agente financiador dos nossos planos e sonhos, quando bem controladas, produzirá grande estabilidade no planejamento de vida e transforma em fator determinante para podermos alcançar as nossas metas, e quando bem estabelecidas e será sempre o grande fator de equilíbrio em nossos projetos profissionais, ou mesmo dando sentido racional em nosso viver.

 

Ninguém está livre das surpresas agradáveis ou desagradáveis que ocorrem em todos instantes, e porque fazem parte do estágio da vida daqueles que ousam dar o primeiro passo e não desistem diante do primeiro obstáculo, pequenos problemas podem causar impacto emocional muito grande e uma pequena crítica  pode estragar o dia ou uma semana, proporcionando insegurança na administração dos bons momentos ou trazendo pequenos prejuízos em função dos planejamentos errados, e podem vir com pequenos desequilíbrios emocionais, mas o importante é estarmos preparados para navegar pelo mundo das emoções, sem perder o sentido da vida e o prazer de viver. 

 

Apesar de todos os cuidados às vezes é importante deixar a vida nos surpreender e a extrapolar pequenos limites, desde que saiba se transformar num agente modificador da sua própria história e não seja a personagem vitimada por alguns momentos errados, pois quando a necessidade emocional não é atendida, a realização dos objetivos pode não ser alcançada, com certeza, a qualidade de vida emocional será prejudicada.

 

A tentativa de enganar a nós mesmo faz com que ultrapassamos os limites e faz com que deixemos de ser racional, e por isso, somos surpreendidos pelos fatos indesejáveis, mas são nesses momentos, que somos testados a demonstrar os nossos equilíbrios. Viver em cima da linha divisória entre o emocional e o racional, é que viabilizamos as nossas seguranças mentais e emocionais, porque o nosso viver depende de equilíbrio tanto emocional, como também, do planejamento financeiro, porque o viver é um grande negócio.

 

*WILSON CARLOS FUÁH é economista e especialista em Recursos Humanos e Relações Sociais e Políticas. Fale com o Autor: wilsonfua@gmail.com    

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei