Terça-Feira 17 de Janeiro de 2017
pesquisas

Quarta-Feira, 11 de Janeiro de 2017, 11h:12

Tamanho do texto A - A+

Violência e medo

A crise política vivida neste momento é um grande empecilho para conter a violência contra a pessoa física

Por: JOÃO EDISOM

 

Facebook

João Edisom

 

Como disse o filósofo, escritor e crítico francês Jean Paul Sartre, conhecido como representante do existencialismo, “a violência, seja qual for a maneira como ela se manifesta, é sempre uma derrota”. Assim, diante dos acontecimentos de violência e barbárie, podemos dizer que o Brasil já é um país derrotado.

 

A mais eficiente fórmula de domínio que existe é através da propagação da violência e da publicidade do medo. É assim que procede todo poder ou pessoa quando não consegue fazer pela própria competência. Se faz pelas ameaças e projeções de barbáries.

 

Os últimos acontecimentos de barbárie nos presídios brasileiros, somados a circulação de vídeos mostrando desde enforcamentos até decapitação de presos, nada mais é que a publicitação do terror com finalidades bem claras de gerar o marketing do medo e através deste preparar o terreno para novas ações que desestabiliza a sociedade e descredencia o Estado.

 

A violência por si só já é terrível, mesmo que a causa seja justa, em casos de “legítima defesa’, de uma pessoa ou um Estado. Imagina quando “parece” ser gratuita. Isso coloca os expectadores desejosos de mais violência. É o que chamamos de guerra anunciada.

 

A crise política vivida neste momento é um grande empecilho para conter a violência contra a pessoa física, até porque tem uma parte significativa do país que esta imbuída no quanto pior melhor. Qualquer medida, ou qualquer posição tomada neste momento, gera polêmica, uma vez que o país dividido “torce” imediatamente a favor e contra. Não porque querem os problemas resolvidos, mas sim porque estão se alimentando do conflito.

 

O Estado brasileiro (União, estados e municípios) já são reféns de grupos econômicos/criminosos há muito tempo. Seja das empreiteiras, seja do crime organizado. Acontece que tudo que cresce muito se divide e um dia vai rivalizar porque o dinheiro é o mesmo e as pessoas que os produzem também são as mesmas. Para roubar este dinheiro as “quadrilhas” terão que se enfrentar entre si, já esta ocorrendo isso.

 

O número de pessoas que morrem por ano no Brasil de hoje vítimas de violência é muito superior a média de qualquer guerra em andamento no mundo. Mas como ela está distribuída em todo território, só nos indignamos quando o sangue escorre no coletivo, porque o sangue individual já se incorporou ao cotidiano das pessoas e é só mais um caso. Isso quer dizer que há mais terror quando o noticiário projeta números concentrados.

 

Mas a publicidade e o conformismo de que o Brasil é um pais maravilhoso por não estar envolvido em guerras, não ter terroristas, terremoto, ciclone, furacão e etc. nos cega diante do perigo que estamos vivendo. Futuro? Que futuro? Nada vale o esforço se a vida vai terminar nas mãos de um anônimo que deseja apenas ter para ele o que você comprou com seu suor.

 

Educação, saúde, saneamento básico, pontes, asfaltos? Nada disso adianta se o que está matando são as balas, as facas e os xuxos. Precisamos urgentemente ter uma cruzada contra todo, eu disse todo tipo de violência, caso contrário ela destruirá o resto que existe deste país. Alguns serão vítimas da violência em si e os demais do medo dela.

 

*JOÃO EDISOM é Analista Político, Professor Universitário em Mato Grosso e colaborador do HiperNotícias.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei
Nó de Cachorro

Nó de Cachorro

Secretário dá tom de despedida

Conselheiro oficialmente afastado

Bancada de MT que se cuide

Deputados articularam indicação

Mais Notas

Últimas Notícias

Mais Lidas

Mais Comentadas