Quinta-Feira, 07 de Junho de 2018, 10h:17

Tamanho do texto A - A+

Tocantins manda recado

Por: JOÃO EDISOM

Facebook

João Edisom

 

O estado do Tocantins esteve em processo eleitoral em todo o mês de maio cuja eleição ocorreu no dia 03 de junho de 2018 para eleger governador e vice para um mandato tampão de sete meses.  Foram sete concorrentes ao posto de governador. O resultado colocou no segundo turno os dois candidatos que respondem ao maior número de processos dentre os concorrentes. Então será que esta indignação da sociedade é balela?

 

Primeiro precisamos ver como o eleitor se comportou: 19,19% votaram branco ou nulo. Foram 3.862 votos computados para o candidato do PSOL, mesmo tendo a candidatura impugnada. Soma-se a isso as abstenções e daí chegamos ao patamar de 43,54 % do total de votantes que optaram por não tomar nenhuma decisão.

 

O segundo ponto importante é que, conversando com profissionais (da política) de lá explicaram que as equipes de marketing dos candidatos tiveram muito trabalho e pouco resultado efetivo, uma vez que as Fake News produzidas para Whatsapp pautaram a campanha e aí responder aos ataques mentirosos tomou todo o tempo. Não houve desenvoltura de propostas, isso afastou ainda mais o eleitor das urnas.

 

Terceiro ponto muito importante é que se o eleitor que está indignado não fizer escolhas, os conformados farão por ele e aí quem já detém o poder permanecerá nele por mais um mandato. Neste caso, a tendência é mesmo que os mais processados ou denunciados sejam os eleitos, considerando que parte significativa destas denúncias ocorre justamente para construir e manter o poder junto à população menos esclarecida e lideranças municipais.

 

Conclusão que chegamos é que para mudar alguma coisa temos que votar em massa, usar critérios rígidos, mas fazer escolhas, comparecer e decidir, caso contrário seremos os maiores colaboradores para a destruição do Brasil . Na democracia só a participação efetiva gera mudanças positivas. O estado do Tocantins mandou o recado, só não entende quem não quer.

*João Edisom é analista político e colaborador do HiperNotícias

Avalie esta matéria: Gostei +2 | Não gostei