Segunda-Feira, 13 de Novembro de 2017, 15h:20

Tamanho do texto A - A+

Pelos caminhos da fé

O universo não reconhece a linguagem da sorte ou do azar

Por: WILSON CARLOS FUÁH

Arquivo pessoal

Wilson Carlos Fuá

 

Importante é ter fé e seguir seus passos  escolhendo o caminho que achar como o melhor a ser seguido, baseados em bons princípios,  tais como: Amor, Caridade, Fraternidade e Humildade.

 

Muitos, depois de alcançar qualquer tipo de sucesso, perdem ainda que inconscientemente ou involuntariamente, não apenas as suas raízes históricas, mas também, a capacidade de mirar no lado bom da vida ou pelo menos saber contemplar o belo,  diante de pequenos eventos da sua rotina diária, deixam de unir aos justo, para viver de falsos encantos.

 

 

Estar preparado intelectualmente, espiritualmente e se dispor a ir à luta participativa diariamente, é que nos dá a possibilidade de vencer sempre: a sorte está com quem acredita no trabalho evolutivo.        

 

Bons pensamentos atraem boas coisas,  o universo não reconhece a linguagem da sorte ou do azar, ele reconhece sim, o silencioso clamor fortemente mentalizado em busca do bem, o eco ensurdecedor do silêncio ouve e atende, mas é bom saber que o lado contrário também é atendido, apesar de nunca ser pretendido.         

 

Passamos por momentos de falência moral, e  em nossa volta nota-se as misérias psicossociais, e que são reconhecidas pela  violência alimentada pela droga, a falta de amor e fé, que possibilita a desagregação familiar, e isso, é que faz com que as pessoas saiam por ai entrando e saindo dos grandes templos luxuosos  a procura Deus para curar as dores da alma. pois para ser um seguidor do Homem de Nazaré, é tão simples,   basta exercer durante a sua vida, ações simples como: ser caridoso, ser solidário, ser complacente e ser tolerante.

 

A melhor forma de “autossugestão” positiva é transformar o prejuízo em uma possibilidade lucro, e usar todas as experiências boas para se usadas futuramente e as ruins para ser descartadas, e nunca fazer o papel de “coitadinho”, não perde o seu precioso tempo com lamentações, e a pior forma da fraqueza do homem,  é  transferir  a responsabilidade  do inevitável  para outras pessoas.

 

Tudo que acontece em nossas vidas têm sua razão de ser. Ninguém, em hipótese alguma receberá mais do que merece. Tudo tem o seu preço e cabe a cada um de nós sabermos como, quanto e quando devemos pagar, e tenha certeza que só pagamos pelas nossas inconsequências.

 

Ninguém é responsável pelo seu sucesso ou pelo seu insucesso, apenas você tem o poder de decidir por você mesmo.   

 

*WILSON CARLOS FUÁH é Economista e Especialista em Recursos Humanos e Relações Sociais e Políticas  

 

 

             

Avalie esta matéria: Gostei +3 | Não gostei

Leia mais sobre este assunto