Quinta-Feira, 15 de Novembro de 2018, 07h:00

Tamanho do texto A - A+

Guerreiros da Luz e Cannabis

Por: EMANUELLE CALGARO

Arquivo Pessoal

Emanuelle Calgaro

Emanuelle Calgaro

A Cannabis sativa é uma planta herbácea da família das Canabiáceas e o seu principal composto químico psicoativo é o delta-9-tetrahidrocanabinol, comumente conhecido como THC. Possui também outros canabinoides, como o Cannabidiol e o Cannabinol, todos eles responsáveis pelos seus efeitos no Sistema Nervoso Central. Entre esses efeitos, que atraem muitas pessoas, estão o relaxamento muscular, uma sensação de calma, uma certa sonolência, uma melhora do humor, um aumento do otimismo, um estímulo da criatividade e uma maior ou menor euforia.

Muitas pessoas usuárias dessa planta afirmam que o seu uso, pela expansão da consciência que ela provoca, traz consigo uma abertura espiritual, uma nova visão a respeito da realidade, uma libertação da informação materialista da nossa sociedade egóica e capitalista, como se fosse um reencontro consigo mesmo, com a nossa identidade espiritual, e por isso ela é considerada uma “planta sagrada” e o seu uso é defendido como se fosse um direito espiritual, até baseando-se na liberdade de culto e de opção religiosa.

A maconha tem um efeito que pode, com o seu mau uso cotidiano, sem reverência a uma “planta de poder”, tornar-se prejudicial aos seus usuários: tirar o foco. Por expandir a consciência, leva para o astral, diminui o aterramento, o que pode fazer com que as pessoas tenham altos e baixos em sua vontade, uma crescente instabilidade em seu direcionamento. E vai vindo uma frustração... poderia ser isso, poderia ser aquilo, mas perdeu as 3 ferramentas mais necessárias para alcançar o sucesso: o foco, a persistência e a disciplina.

A observação dos usuários constantes mostra que a concentração, a memória e o raciocínio ficam prejudicados de forma permanente. Tudo começa a ser postergado, vai sendo deixado para depois, o usuário vai tendo a impressão de que tudo está bem, quando seu mundo está desabando... A maconha dá essa sensação ilusória de que as coisas estão bem, tudo se resolve, nada exige pressa, se for mal no colégio ou na faculdade, isso não é tão importante assim, depois se resolve... Se vai mal no trabalho, se começa a faltar, os atestados resolverão, afinal de contas, o seu chefe é um cara legal, tudo está certo, tudo se resolve... Dali uns anos, quando vê que ficou para trás, só vê uma solução: fumar mais maconha para se consolar do que fez consigo e com sua vida. Ou, melhor, do que não fez....

Para finalizar, eu convido a todas as pessoas que fumam maconha há alguns anos a fazer um teste: quando fumar um baseado, dali uns minutos, pergunte-se: “Eu estou melhor ou pior do que estava antes de fumar? ”. Jogo todas as minhas fichas que vai dizer para si mesmo: “Estou pior, mais parado, mais aéreo, menos concentrado, meus pensamentos estão desconexos, me fechei em mim mesmo, minha cabeça parece que está enuviada...”. E pergunte-se se a maconha está ajudando a realizar, a concretizar os seus sonhos, a desenvolver os seus potenciais, se o ajuda a manter o foco ou o distrai dele, se o ajuda a ter persistência, a ter disciplina, ou o afasta disso?

E, então, o que sugiro é que pare de fumar maconha por um tempo, retome a sua vida de antes de começar, e passe da condição de usuário para a condição de curador, de conselheiro, para quem ainda fuma. A vida encarnada é uma escola e uma grande parcela dos usuários são espíritos que estão experimentando essa viagem para, um dia, sair dela e ir cuidar de quem ainda acha que é uma viagem com um rumo e que estão apenas rodeando.

A maioria dos usuários de bebida alcoólica, cigarro, maconha etc., são Guerreiros e Guerreiras da Luz que vieram para a Terra para aprender o que é esse uso, experienciar, sentir seus efeitos e, depois, ir ajudar seus irmãos e irmãs que estão ainda fazendo o que eles mesmos fizeram. É uma Missão! Mas, para cumpri-la, é necessário primeiro vivenciar seu uso, depois parar e então ir ajudar os que ainda estão aprendendo.

(*) Emanuelle Calgaro é Psicoterapeuta Reencarnacionista formada pela Associação Brasileira de Psicoterapia Reencarnacionista - ABPR. E-mail: emanuellecalgaropr@gmail.com

Avalie esta matéria: Gostei +6 | Não gostei - 3

Leia mais sobre este assunto




1 Comentários

Carlos Nunes - 15/11/2018

Ih! TODA DROGA É UMA DROGA. Quem estuda um pouco de Esoterismo sabe que nós temos vários corpos (físico, etérico, astral, e outros que nem vou mencionar). O corpo etérico é a barreira entre o físico e o astral...corresponde fisicamente a nossa aura, ao nosso sistema imunológico. Quando a aura fica fraca, o sistema imunológico fica fraco. Qualquer droga enfraquece o corpo etérico, a barreira entre o físico e o astral....e a pessoa começa a ver "coisas" do astral, mas do astral inferior - só o plano astral tem mais de 49 sub-planos, e o astral inferior é apenas um sub-plano. O Albert Einstein começou a formular a existência dos sub-planos, ou dimensões, na sua Teoria da Relatividade. Pelo materialismo mundial, talvez os cientistas descubram as dimensões daqui uns 500 anos. Nesta semana faleceu o Stan Lee, famoso escritor que através dos quadrinhos, divulgou muita coisa pros humanos aceitarem que...como dizia o Shakespeare, entre o Céu e a Terra existe mais coisas do que imagina a nossa vã filosofia. Stan Lee é comparável aqueles famosos escritores, Anderson, Grimm, e outros que trouxeram as fábulas pra abrirem os nossos olhos. Do mesmo modo que JESUS, pra ensinar os humanos, contou parábolas...estórias que no fundo tem um sentido transcendental...A Casa do meu Pai tem várias moradas...o Meu Reino não é desse mundo. A Casa do meu Pai tem várias dimensões, o reino de Deus não é nesta dimensão, etc.

INíCIO
ANTERIOR
PRÓXIMA
ÚLTIMA