Quarta-Feira, 06 de Fevereiro de 2019, 09h:58

Tamanho do texto A - A+

As dimensões do problema

Para compreender o Brasil e suas dificuldades, necessitamos analisar os números que formam este imenso território, suas distorções e erros de decisões políticas e administrativas cometidos ao longo do tempo

Por: JOÃO EDISOM

Facebook

João Edisom

 

Para compreender o Brasil e suas dificuldades, necessitamos analisar os números que formam este imenso território, suas distorções e erros de decisões políticas e administrativas cometidos ao longo do tempo.

No início da segunda metade do século XX há uma mudança radical na geografia brasileira advinda da urbanização em massa que foi intensificada nas décadas seguintes.

Como resultado houve o aumento das unidades federativas e a criação de novos municípios. Para se ter uma ideia, neste período foram criados os estados do Acre (1962), área comprada junto a Bolívia no inicio do século passado, Mato Grosso do Sul (1977), desmembrado do estado de Mato Grosso e Rondônia (1981), cuja formação do distrito vinha dos territórios dos estados do Amazonas e Mato Grosso.

As cidades que foram surgindo e as já existentes não estavam preparadas para comportar tanta gente. Faltou, e ainda falta, trabalho, moradia, infraestrutura e, principalmente, cultura de viver em comunidade. Este último fator é motivo de grandes gastos por conta da violência, acidentes constantes, enchentes devido a lixos acumulados e etc.

Com a Constituição de 1988 também são celebradas as criações de mais três estados: Amapá (que já pertenceu ao estado do Pará), Roraima (originário do Estado do Amazonense) Tocantins, desmembrado do estado de Goiás. Os dois primeiros já eram territórios, criados em 1943 e em 1962, respectivamente.

Com isso, a República Federativa do Brasil hoje é formada pela união de 26 estados federados, um distrito federal e 5.570 municípios. Um grande problema: o maior empregador de pessoas nas esferas: Federal, Estadual e Municipal, é o poder público.

Como explicar isso? Em um país de capital aberto, cuja economia ainda tem como base a exploração do solo com exportações de produtos primários e in natura, pouca coisa é industrializada se compararmos.

Apesar disso o seu maior empregador ainda é o poder público.  Na grande maioria dos municípios Brasil afora a prefeitura é a única empresa formal que contrata pessoas. Elas não arrecadam para a folha administrativa e os repasses constitucionais. Como fechar esta conta?

*JOÃO EDISOM é Analista Político, Professor Universitário em Mato Grosso e colaborador do HiperNotícias.

 

Avalie esta matéria: Gostei +1 | Não gostei

Leia mais sobre este assunto