Segunda-Feira, 02 de Outubro de 2017, 14h:00

Tamanho do texto A - A+

A crise continua azedando

Qualquer semelhança com bandidos que assaltam bancos, lojas e residências é mera coincidência

Por: JUACY DA SILVA

 

Hugo Dias/HiperNotícias

Juacy da Silva

 

Diferente do que muita gente imagina ou afirma, a crise brasileira, principalmente a crise política, longe de estar próxima de seu fim, a cada dia está ficando mais complicada e de difícil solução ou como se diz na linguagem popular, está azedando.

 

Mesmo que o espírito de corpo ou de porco da Câmara Federal e também do Senado  venha demonstrando que dificilmente a segunda denúncia contra Temer,  agora vindo também recheada com mais dois amigos  do peito do Presidente, os ministros Moreira Franco e Eliseu Padilha, deverá ter prosseguimento para que o Supremo Tribunal Federal investigue Temer, desta vez por organização criminosa  e obstrução de justiça,  isto não significa que as denúncias,  a primeira e esta segunda, vão para a lata do lixo. Vão ficar apenas suspensas, aguardando até que Temer termine seu mandato usurpado de sua antiga aliada Dilma e seja investigado, julgado e podendo até ser preso, como deve acontecer com o ex-Presidente Lula, que já foi condenado pelo Juiz Sérgio Moro a quase dez anos de cadeia.

 

Para o povo, os eleitores e contribuintes, é duro e vergonhoso saber que o Presidente da República e pelo menos até agora dez de seus ministros, tenham sido denunciados por corrupção passiva, formação de quadrilha, obstrução de justiça, lavagem de dinheiro, apropriação indébita (roubo), tráfico de influência e outros crimes de colarinho branco.

 

De forma semelhante, mais de uma centena de parlamentares federais, deputados federais e senadores, também foram denunciados ao longo dos últimos dez anos pela Procuradoria Geral da República por cometerem diversos crimes de colarinho branco.  Todos esses parlamentares gozam dos privilégios dos cargos e também são protegidos pelo famigerado foro privilegiado, que lhes garante serem investigados apenas pelo Supremo Tribunal de Justiça,  uma excrecência jurídica que, pela morosidade do STF, acaba favorecendo a impunidade dos poderosos e que precisa ser extinto o mais breve possível se quisermos ter uma democracia de verdade  e que o princípio da igualdade de todos perante a Lei seja um fato  e não apenas uma figura de retórica.

 

Para complicar este quadro e azedar ainda mais a crise política, o STF acaba de afastar de seu mandato o todo poderoso Tucano, que quase chegou a Presidência da República, Aécio   Neves, negando parte do pedido feito pelo então Procurador Geral da República, Rodrigo Janot, para que, além de ser afastado de seu cargo, o Tucano também fosse preso, como aconteceu com o Senador Delcídio do Amaral, então líder do Governo Dilma no Senado.

 

Mesmo negando esta parte do pedido da Procuradoria Geral da República,  uma das turmas do STF  entendeu que o senador Aécio além de ser afastado deve “permanecer”  em casa  a noite e aos finais de semana e feriados, situação muito semelhante ou igual a uma prisão domiciliar, mesmo que  sem tornozeleira eletrônica, como aconteceu com o ex-governador Garotinho ou o amigão de Temer, Ex-ministro Gedel Vieira de Lima, aquele que foi pego com um montão de dinheiro, R$51 milhões de reais em malas, caixas de papelão, muito mais do que os deputados de Mato Grosso recebiam a título de propina ou 510 vezes o que Rodrigo Loure, o ex assessor de Temer apanhou em uma pizzaria e saiu correndo com uma mala preta nas ruas de São Paulo.

 

Qualquer semelhança com bandidos que assaltam bancos, lojas e residências é mera coincidência.

 

Relativamente ao afastamento de Aécio  está havendo uma grande “articulação”  entre o governo Temer, o Senado, a Câmara Federal e há quem diga que com apoio dissimulado de algumas figuras expoentes do Judiciário, para livrar tanto o senador Tucano e muito mais do que isto, evitar que dezenas de figurões do Congresso Nacional e os ministros de Temer que estão sendo investigados pelo STF tenham o mesmo destino do Tucano  ou aconteça  como de  um deputado federal que está preso na Papuda e todos os dias vai `a Câmara Federal  para “trabalhar”.

 

Se  o Senado “revogar”  ou não aceitar a decisão da turma do STF, com certeza  estaremos diante de um confronto ou um conflito institucional grave, situação muito próxima `a descrita pelo General de Exército Antônio Hamilton Martins Mourão,  em conferência proferida recentemente na Maçonaria , Grande Oriente do Brasil, em Brasília, onde disse com todas as letras que se as Instituições Nacionais, principalmente o Judiciário não resolver a crise que se agrava,  não restaria às  Forças Armadas outra opção a não ser  uma intervenção que “resolvesse’  esta crise. Pronunciamento que ainda continua ecoando tanto nas casernas quanto no meio político, empresarial e na mídia.

 

É aguardar para  ver. De uma coisa estou certo, é  uma lastima para o Brasil e para o povo saber que estamos sendo governados por um grupo de pessoas que teimam em roubar os cofres públicos e continuarem impunes.

 

*JUACY DA  SILVA é  professor universitário, titular e aposentado UFMT, mestre em sociologia,  articulista e colaborador de jornais, sites, blogs. Twitter@profjuacy Email professor.juacy@yahoo.com.br Blog www.professorjuacy.blogspot.com

 

 

Avalie esta matéria: Gostei +1 | Não gostei



1 Comentários

Davi - 04/10/2017

Enquanto o Temer, último resquício do governo Dilma e os grandes partidos (PMDB, PSDB e PT) não deixar o poder teremos a mesma corrupção sistêmica no Palácio do Planalto.

INíCIO
ANTERIOR
PRÓXIMA
ÚLTIMA