Sexta-Feira, 06 de Abril de 2018, 09h:32

Tamanho do texto A - A+

Preço melhora, mas setor ainda permanece em crise

Por: REDAÇÃO

As indústrias de laticínios de Mato Grosso captaram 528 milhões de litros em 2017, um volume de 1,16% no comparativo a 2016, conforme apontaram os dados da Pesquisa Trimestral do Leite referente ao 4º trimestre do ano passado. De acordo com o Instituto Mato-grossense de Economia (Imea), o resultado foi pautado pelos bons volumes de chuvas ano passado, boa oferta de grãos para dieta animal e preços do leite atrativo no primeiro semestre do ano. 

 

Reprodução

leite

 

Apesar da leve recuperação na oferta, o volume captado está 14,6% abaixo do pico registrado em 2014 de 618 milhões de litros e a quantidade de laticínios operando em Mato Grosso é o menor desde 1999.

 

Com capacidade de processamento de 100 mil litros de leite por dia, a Campileite, uma das maiores cooperativas de leite de Mato Grosso está operando hoje com 55 mil l/mês e espera chegar no período de seca, com o recuo da oferta do produto, para 35 mil l/mês. 

 

“Não só em Mato Grosso, mas no Brasil de forma geral, estamos mal cobrindo os custos. Os preços do leite, queijo muçarela estão baixos. Estamos produzindo de 15% a 20% a menos do que em 2015, com tendência de cair, baixar patamar menor do que já esteve”, explica o gerente da Campileite, Rodrigo de Oliveira Paulo. 

 

Recuperação

 

Depois de sete meses em queda, o preço do leite pago ao produtor registrou elevação de 1,11% devido a procura mais assídua das indústrias pela matéria-prima, por causa da redução de oferta, passou de R$ 0,90 a R$ 0,91, contudo, se comparado a fevereiro do ano passado, o valor pago ao produtor era de R$ 1,04 o litro, 10,78% maior. 

 

Nas indústrias, o leite UHT subiu 16%. Conforme o Imea, os agentes estão buscando elevar as cotações na tentativa de recuperar a margem. No varejo, o mesmo produto recuou 8,27%, por causa da demanda por este produto apresentar lenta recuperação. 

 

A saída para a crise tem sido diversificar. Na Campileite, o gerente explica que a empresa passou a produzir queijo prato e está com maquinário para produzir requeijão. “Estamos avaliando em ampliar o leque, mas temos que estar atentos porque há muitos produtos no mercado e a concorrência é muito forte”. Ele espera que até junho os preços do leite e derivados tenham recuperação. 

 

VBP

 

O Valor Bruto da Produção (VBP) do leite em Mato Grosso de 2018 está 7,19% menor do que no ano passado. O faturamento bruto dentro da porteira está previsto em R$ 497 milhões, levando em conta os meses de janeiro e fevereiro. 

 

As quedas nos preços das matérias-primas de julho de 2017 a janeiro de 2018 associado ao custo de produção elevado espremeram as margens dos pecuaristas e tem desestimulado a produção no campo. 

 

Conforme o Imea, a menor produção de milho na safra 17/18 é outro sinal de alerta para a cadeia, visto o que pode elevar o custo da dieta animal, principalmente na seca.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei

Leia mais sobre este assunto