Terça-Feira, 11 de Setembro de 2018, 09h:39

Tamanho do texto A - A+

Nova geração de caminhões a hidrogênio promete zero poluentes

Por: REDAÇÃO

Uma nova geração de caminhão movido a hidrogênio pode representar o futuro do transporte sustentável no mundo. Um exemplo disso é o Beta, uma nova versão lançada pela empresa Toyota, que promete transportar cargas com emissão zero de poluentes e com autonomia para 300 milhas por tanque, o equivalente a mais ou menos 480 quilômetros. 

 

De acordo com Andrew Lund, engenheiro-chefe do projeto, a nova versão está atualizando o caminhão Alpha, que tem uma capacidade bruta de peso combinado de 36 toneladas e mais de 670 cavalos de potência. Ele afirma ainda que a intenção da empresa não é apenas desenvolver o antigo projeto, mas começar a produzir caminhões movidos a hidrogênio que são comercialmente viáveis para a indústria. 

 

Reprodução

Caminhão Hidro

 

"Ao avaliar o primeiro caminhão em nossas instalações de testes e nas estradas atuais na área de Los Angeles, fizemos uma lista de melhorias para o processo de construção do caminhão Beta e melhorias de desempenho. Precisávamos ir além de um teste conceitual, que foi feito com o primeiro caminhão, para algo que não é apenas melhor que o original, mas também mais comercialmente viável", comenta o engenheiro. 

 

De acordo com Craig Scott, gerente sênior do Escritório de Tecnologias e Veículos Eletrificados da Toyota na América do Norte, existem mais de 43.000 caminhões operando dentro dos portos nos Estados Unidos e gerando quantidades significativas de poluentes cancerígenos. Para ele, além da parte comercial, o Beta também é uma alternativa para emitir menos poluentes e melhorar a qualidade do ar. 

 

"Nosso objetivo com o primeiro caminhão era ver se ele poderia ser alcançado, e conseguimos. Desta vez, estamos olhando para a viabilidade comercial. Queremos ajudar a fazer a diferença, uma diferença significativa quando se trata de qualidade do ar, não apenas na área de Los Angeles, mas também nos Estados Unidos e em todo o mundo”, afirma. 

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei

Leia mais sobre este assunto