Segunda-Feira, 09 de Abril de 2018, 10h:01

Tamanho do texto A - A+

Colheita de soja e semeadura do milho devem ser concluídas até o fim do mês

Por: DÉBORA SIQUEIRA - ESPECIAL PARA O HIPERNOTÍCIAS

A semeadura de milho para a safra 2017/18 está praticamente finalizada em Mato Grosso, exibindo 99,9% das áreas estimadas e um avanço semanal de 0,2%. Com isso, apenas as regiões sudeste e nordeste ainda não totalizaram essa fase dos trabalhos de campo, apresentando 99,7% e 99,8% das áreas semeadas, respectivamente. Já a colheita de soja no Estado alcançou 97,5% da área estimada à cultura na safra 17/18. A expectativa é de que ambos processos – semeadura e colheita – sejam concluídos a partir da segunda quinzena do mês de abril.

Reprodução

colheita soja

 

O ritmo da colheita nesta safra ficou aquém do observado no ano passado, devido, principalmente, ao atraso no início das chuvas na semeadura. Isso acabou por postergar um pouco o ciclo. No entanto, o ritmo seguiu muito em linha da média histórica das últimas cinco safras. Apesar das adversidades climáticas enfrentadas no início do cultivo, observa-se que, no “passar da régua”, a produção da soja vem superando as expectativas iniciais e deixando bons frutos no campo, de acordo com os boletins de milho e soja do Instituto Mato-grossense de Economia (Imea).

Em relação ao milho, a pressão da demanda no mercado interno pelo produto mato-grossense trouxe valorização de 1,67% ao cereal e preço médio de R$ 21,44 a saca. As cotações na Bolsa de Chicago para maio e julho de 2018 apresentaram valorização de 0,47% e 0,54%, respectivamente, em consequência, principalmente, da expectativa de redução da área semeada nos Estados Unidos.

As novas perspectivas de área para a safra 2018/19 de milho nos EUA são de redução de 2,2% em relação à primeira previsão divulgada no Fórum Agrícola, ficando agora estimado 35,6 milhões de hectares. O milho perdeu a liderança nas áreas norte-americanas e agora a soja passa a ter a maior área cultivada no país, com 36 milhões de hectares. “Mesmo com a área da soja exibindo patamares maiores em relação ao milho, ambas as culturas apresentaram redução nesta nova estimativa e com isso espera-se que as áreas sejam destinadas ao cultivo do trigo de primavera, em decorrência dos preços mais elevados”, diz o Imea em boletim.

 

Circuito Tecnológico do Milho

De 23 a 27 de abril, sete equipes da Associação de Produtores de Soja e Milho (Aprosoja) percorrerão cerca de 6.500 quilômetros de Mato Grosso para verificar in loco o andamento da safra do milho no estado, no Circuito Tecnológico do Milho.

As equipes aplicarão questionários nas propriedades para avaliar o nível de tecnologia da cultivar adotada, se há utilização do zoneamento agrícola para a escolha da cultivar, além de fazer testes em campo, como o de transgenia. Outro objetivo é monitorar as lavouras de milho quanto aos aspectos fitossanitários, o preparo e manejo do solo, assim como verificar o cenário de armazenagem e comercialização do milho, entre outros.


Circuito Aprosoja

Por sua vez, o Circuito Aprosoja de 2018 começa no dia 16 de abril, às 18h30, em Alto Taquari. Em sua 13ª edição, o evento, começa pelo interior e tem seu fechamento em Cuiabá.

Os 24 Núcleos da Aprosoja no interior contarão com quatro palestras. As duas primeiras serão com foco institucional, do presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja), Antônio Galvan, e de representante do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Mato Grosso (Senar-MT.

Também haverá uma palestra da Secretaria do Estado de Segurança Pública (Sesp), “Segurança nas Propriedades Rurais: Orientação e Prevenção”, que será feita por um representante da pasta no município e é reflexo do termo de cooperação assinado em 2017 com a Aprosoja com foco na segurança no campo.

A última palestra, “A Importância da representatividade de classe na Política Brasileira”, será do diretor executivo do Instituto Pensar Agro (Ipa), João Henrique Hummel.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei