Quarta-Feira, 11 de Abril de 2018, 14h:00

Tamanho do texto A - A+

Aumento de produção e preço médio levam receita bruta a R$ 7,56 bilhões

Por: DÉBORA SIQUEIRA - ESPECIAL PARA O HIPERNOTÍCIAS

Levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) aponta que o valor da receita bruta da produção de algodão em Mato Grosso foi de R$ 7,56 bilhões. Já a Bahia, o segundo maior produtor brasileiro foi de R$ 2,73 bilhões. Houve avanços na produção da Bahia, a qual passou de 346 mil toneladas para 424 mil, e em Mato Grosso, a qual passou de 1.011 mil toneladas para 1.224 mil, aumentos de 22,5% e 21,1%, respectivamente. Os dados constam no 7º Levantamento da Safra de Grãos 2017/2018, divulgado nesta terça-feira (10), pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

 

Reprodução

algodão

 

A produção do algodão apresenta incremento de 21,8% no escopo nacional. Por outro lado, o preço médio nacional para a fibra apresenta aumento de 6,5%. Essas duas grandezas culminaram no valor da receita bruta dos produtores, que apresenta um valor de R$ 11,38 bilhões para a safra em questão, um aumento de 29,8% em relação à safra anterior, ou seja, tanto o aumento da produção como o incremento do preço médio impactaram na receita bruta.

 

Em Mato Grosso, as condições das lavouras de primeira e segunda safras são avaliadas como boas/ótimas e produtividade estimada dentro da média histórica da cultura. No atual ciclo houve expressivo aumento do cultivo total do algodoeiro, saindo de 627,8 mil hectares, na temporada passada, para 746,5 mil hectares cultivados no atual ciclo, incremento de 19% no período, devido aos bons preços

 

A melhor rentabilidade da cultura estimulou os cotonicultores a aumentarem suas respectivas áreas de algodão. Os contratos futuros, negociados na Bolsa de Nova York, têm registrado bons preços, na casa dos R$ 85 a arroba, devido à valorização do câmbio e da pluma no mercado internacional. 

 

Dessa forma, o volume de algodão comercializado ultrapassa 70% em Mato Grosso. No mercado disponível, a commodity registrou expressiva valorização, chegando a ser comercializado a R$ 95 a arroba no fechamento de março, maior cotação da pluma nos últimos anos devido ao suporte de preços internacionais, aliado à escassez de oferta estadual na entressafra.

 

Consumo e demanda mundial

 

De acordo com o Comitê Consultivo Internacional do Algodão (Icac), em seu relatório semanal de 27 de março de 2018, a produção mundial de pluma na safra 2016/17 deverá fechar em 23,09 milhões de toneladas e se projeta para a safra 2017/18 uma produção de 25,67 milhões de toneladas. Esse resultado significaria um aumento de 9,8% na produção. 

 

Ainda de acordo com o Icac, o consumo mundial foi de 24,52 milhões de toneladas em 2016/17, já para a safra 2017/18, a previsão é que o consumo fique em 25,40 milhões de toneladas. Em se confirmando as previsões expostas acima, a produção mundial voltaria a ser maior que o consumo em 2017/18, depois de dois anos-safras sendo inferior. 

 

Mesmo que a produção volte a ser maior que o consumo, as cotações internacionais devem seguir com viés altista. A boa demanda mundial, principalmente pelo algodão norte-americano, e a queda dos estoques chineses deverão dar sustentabilidade aos preços externos.

 

Exportação

 

O Brasil continua apresentando bons volumes embarcados de pluma para a safra 16/17, exibindo no mês de março 47,1 mil toneladas, o que representa um crescimento de 46,6% em relação ao mesmo período do ano passado. Mato Grosso, por sua vez, deteve a participação de 78,5% dos embarques brasileiros no último mês e com isso já acumula 536,8 mil toneladas nesta safra, ou seja, 63,6% do que o país já exportou. As informações são da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC).

 

“Assim, restam apenas 23,8 mil toneladas para que as exportações da safra 16/17 no Estado alcancem o recorde de pluma que foi escoado na safra 14/15, quando foram enviadas ao exterior 560,6 mil toneladas. Para a safra 17/18 mato-grossense, que ainda está em campo, é esperado que a produção de pluma amplie em 20,9% quando comparada ao que foi visto na safra anterior, o que pode possibilitar mais uma safra com grandes volumes de exportações da fibra no Estado”, aponta o boletim sobre o algodão pelo Instituto Mato-grossense de Economia (Imea).

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei